Fatos 20.08.2019

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

No meio do caminho

“No meio do caminho tinha uma pedra

Tinha uma pedra no meio do caminho

Tinha uma pedra

No meio do caminho tinha uma pedra”

Que me perdoe o poeta Carlos Drummond de Andrade, mas em Passo Fundo, mais do que pedras estão no meio do caminho. Na verdade uma enorme calçada. O município terá de ajuizar uma ação para resolver o que hoje se transformou em um problema de mobilidade. Uma calçada alta, construída na década de 1950 às margens da Avenida Brasil, no Bairro Petrópolis, interrompe a normalidade de circulação do pedestre. Tanto o prédio, quanto a calçada estão fora dos padrões atuais e invadem o que deveria ser uma calçada reta. Na maioria dos casos, os transeuntes passam pelo local utilizando a própria avenida e outros se arriscam subindo as escadas. As pessoas com dificuldade de mobilidade, com algum tipo de deficiência, são as mais prejudicadas neste caso. Mas, mesmo judicializando, a decisão não será fácil, porque certamente vai gerar controvérsias. Tendo em vista que o prédio e a calçada alta já estão incorporados na paisagem urbanística da cidade, pode até se considerar, embora não seja oficialmente, como patrimônio da arquitetura. E tem todo o aspecto da propriedade, que certamente vai requerer indenização cabível. Por outro lado fica evidente que a edificação está completamente fora dos padrões para a mobilidade ideal, transformando-se na verdadeira pedra no meio do caminho da obra de revitalização da Avenida Brasil. Sem acordo na esfera administrativa caberá à Justiça a difícil decisão sobre o que fazer em um caso em que, no fundo, no fundo, as duas partes tem suas razões.

Parem as rotativas!

“Minha querida, parem as rotativas, porque eu tenho um furo de reportagem pro jornal. Só nós temos a foto”. Esse era Meirelles Duarte quando ligava para a redação de ON sempre que algo importante ou muito grave ocorria e, na visão dele, merecesse o devido destaque. Meirelles era efusivo como sua locução primorosa, lembrando os áureos tempos do rádio. Precioso com as palavras, impostava naturalmente a voz e era capaz dos discursos mais emocionados. Manteve até bem pouco tempo a coluna dominical em O Nacional, com fotos e legendas de acontecimentos e personalidades do passado remoto e mais recente. Sem dúvida deixa um legado para a comunicação, pois não se dobrou ao avanço da tecnologia. Foi um verdadeiro multimídia, atuando até bem pouco tempo em várias plataformas, rádio, TV e jornal. Deixa também um precioso arquivo fotográfico, que certamente será destinado para a família a uma instituição histórica.

Emoção

Na despedida, na Câmara de Vereadores, domingo à tarde, nada me tocou tanto quanto a emoção de Dona Mary. “Perdi o amor da minha vida”, dizia ela na maior declaração de amor que alguém pode fazer a um companheiro que parte antes do tempo. Que os filhos e netos lhe confortem Dona Mary!

Consulta popular

Dado início do processo da consulta popular o Estado. A semana passada, o Corede da Produção realizou duas micro reuniões, uma em Passo Fundo e outra em Casca. Nesta quarta-feira, será realizada a assembléia ampliada, reunindo representantes de todos os municípios e entidades, Ela acontece a partir das 9h30, o auditório da Faculdade de Direito da UPF. O valor total para a Consulta Popular 2019/2020 é de R$ 20 milhões para todo o Estado. Áreas como educação, saúde e segurança não constarão mais da indicação de recursos. É que estas são áreas que já dispõem de orçamento próprio.

Gostou? Compartilhe