Fatos 21.02.2019

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma proposta de reforma previdenciária complexa e cheia de detalhes, uma das mais completas na visão de muitos especialistas, mas que precisa de dedicação dos parlamentares na análise de todos os detalhes. A reforma da previdência chegou ao Congresso ontem pela manhã, nas mãos do presidente Jair Bolsonaro. O economista Ginez de Campos avalia que é consenso sobre a reforma providenciaria que ela é necessária e urgente para evitar um colapso fiscal. “As mudanças no perfil da pirâmide demográfica com o alongamento da perspectiva de vida impõe essa reforma”, disse. A questão, segundo ele, é que o problema não está nas propostas para a previdência do trabalhador do setor privado. “O maior desafio será enfrentar o corporativismo dos servidores públicos principalmente aqueles ligados ao Legislativo e ao Judiciário onde se encontram os maiores privilégios”. Ginez adverte que em relação a proposta da capitalização individual para previdência é preciso considerar o fracasso da experiência chilena para não cometermos os mesmos erros. Outra questão que é preciso debater é o interesse oculto do sistema financeiro que será o grande beneficiado com os recursos canalizados para a previdência privada e os fundos de pensão.

 

Resistência
Na avaliação do especialista, haverá muita resistência corporativista em relação a esta proposta inicial e, provavelmente, o governo terá que realizar futuras adequações. “A proposta é muito interessante do ponto de vista econômico e financeiro visando resolver a nossa grave situação fiscal, mas infelizmente trará algumas consequências do ponto de vista social”, afirmou.

 

Prazo
Dificilmente, a proposta será aprovada integralmente e o Congresso deve fazer alterações. Pela complexidade do projeto que altera a Constituição, a Câmara não deve cumprir o prazo inicial proposta pelo presidente Rodrigo Maia, de votar até maio.

 

Líder do governo
O vereador Ronaldo Rosa, Solidariedade, vai exercer a liderança do governo na Câmara de Vereadores pelos próximos 30 dias, período em que Alex Necker, PCdoB, estará licenciado. Ronaldo recebeu “com muita honra a missão de representar o Executivo” e que vai atuar não somente rebatendo críticas da oposição, mas que o trabalho será focado na positividade, valorizando boas ações.

Gostou? Compartilhe