Fatos 25.07.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma moção e nada é a mesma coisa

Os vereadores aprovaram uma Moção de repúdio à Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), ajuizada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que objetiva a legalização do aborto até a décima segunda semana de gestação. A proposta, protocolada pelos vereadores Mateus Wesp (PSDB) e Ronaldo Rosa (SD), foi aprovada com 19 votos favoráveis e um contrário. Apenas o vereador Alex Necker (PCdoB) foi sensível a um tema que não se resume a moções. Notem, que este tema, extremamente complexo e delicado e de uma relação íntima com o gênero feminino foi tratado por homens. Os vereadores proponentes e os que concordam com a moção enxergam na iniciativa do PSOL um despropósito, pois “cabe ao Congresso Nacional (formado por ampla maioria masculina) a legitimidade para regular o tema. Dizem mais os vereadores: “O Congresso, até hoje, não o fez, ao longo das mais de sete décadas de vigência do Código Penal. Não por omissão ou negligência, mas em razão da vontade majoritária do Parlamento, que se manifestou contrariamente à medida em todas as vezes que matéria foi discutida”. Até quando vamos ter que ouvir justificativas machistas, conviver com movimentos que não levam à nada, em torno de um tema que deve ser tratado com quem de fato compete?

O debate é outro

Enquanto tapamos o sol com a peneira, muitos homens induzem namoradas e companheiras a fazer abortos clandestinos ou as abandonam a própria sorte para não assumirem a paternidade. Enquanto tapamos o sol com a peneira, com moções que não significam nada, mulheres colocam a vida em risco fazendo abortos em clínicas clandestinas. O tema legalização do aborto merece um debate que ouça de forma séria todos os envolvidos e principalmente as envolvidas. A iniciativa aprovada por ampla maioria da Câmara saiu do nada para lugar algum.

Vacinação

Vereador Luiz Miguel Scheis apresentou projeto para que o município exija dos pais a caderneta de vacinas do filho em dia para fazer a matrícula. Se o filho não estiver vacinado, os pais terão prazo de dez dias para regularizar. A proposta aprovada pela Câmara não cria sanções aos pais, mas é uma forma de contribuir para melhor os índices de imunização.

Balanço

Presidente da Câmara, Pedro Daneli, PPS, reúne, nesta quarta-feira, jornalistas da editoria de política para prestar contas dos seis meses no comando do Legislativo.

 

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe