Fatos 28.11.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A bandeira do Império

O vereador Mateus Wesp, eleito deputado estadual pelo PSDB, já é conhecido por aparições em público com a bandeira do Império. Ele a mantém em local de destaque no seu gabinete na Câmara e pretende levá-la para a Assembleia Legislativa. Costuma usá-la em atos públicos. Tem convicções próprias sobre o Império. Ontem, questionado pela colunista das razões pelas quais costuma usar este símbolo, disse que, “como todos sabemos, cada um carrega as bandeiras daquilo que admira. O Império Brasileiro é admirável por uma série de fatores, dentre os quais se inclui o parlamentarismo (à época, o Poder Moderador impunha uma verdadeira alternância de poder entre os dois partidos, a fim de que oligarquia nenhuma se eternizasse no poder)”. Num texto longo, que não cabe neste espaço, passou seu entendimento. A íntegra do conteúdo pode ser acessada na versão digital do jornal www.onacional.com.br.

Ética

O que vimos na Câmara de Vereadores, na segunda-feira, depois da votação do projeto que alterou o texto do Plano Municipal de Educação foi muito mais do que uma simples manifestação de admiração de um de seus pares. Ao comemorarem o resultado da votação, vários vereadores posaram ao lado da bandeira do Império em ato de reverência. A saber, o Brasil é uma República e não uma Monarquia. Nossos símbolos são outros e os vereadores, como agentes legítimos da representação popular, jamais poderiam ter protagonizado uma cena desta natureza.  

Desrespeito

A colunista consultou juristas a respeito do caso. Não há ilegalidade no ato, mas flagrante desrespeito aos símbolos oficiais (do município, do Estado e do Brasil) e, ao ambiente que, embora, abrigue os detentores de mandato, é público, é do povo e deve respeitar a pluralidade democrática imposta pelo atual regime. No mínimo, a atitude, que foi de um grupo, deve ser questionada do ponto de vista ético.

Os memes

É claro que a rede não perdoou. Bastaram poucas horas para a foto virar meme na Internet. Viralizou e as mais variadas versões circulam pelas redes sociais. Reproduzo aqui a que me pareceu mais simbólica. Passo Fundo, uma cidade conhecida pelo cultivo das tradições gaúcha, agora também ganha um reduto imperial  

Escala fim de ano

Reunião entre Sindicatos do Comércio e Lojistas no Ministério do Trabalho, ontem, definiu ampliar o prazo para que empresários entreguem a escala de trabalho para o fim do ano, do dia 30 para 5 de dezembro. Ratificou-se o valor da convenção. Isso significa que os lojistas precisam passar a escala de trabalho, sob pena de sofrerem multas. A contribuição sindical é outro assunto. Lojista que não contribui com o sindicato e não entregar a escola estará sujeito a fiscalização e multa.

 

Íntegra do texto enviado pelo vereador Mateus Wesp, em resposta à colunista

"Como todos sabemos, cada um carrega as bandeiras daquilo que admira. O Império Brasileiro é admirável por uma série de fatores, dentre os quais se inclui o parlamentarismo (à época, o Poder Moderador impunha uma verdadeira alternância de poder entre os dois partidos, a fim de que oligarquia nenhuma se eternizasse no poder). Neste sentido, a luta parlamentarista no período pós-1889 foi travada por aqueles simpatizantes da monarquia, como Gaspar Silveira Martins (provável primeiro-ministro, caso não houvesse o golpe), cuja ação deu origem ao Partido Federalista. Essa tradição republicana que é também a do Partido Libertador foi oposição à centralização autoritária do Castilhismo e do Getulismo (que muito se parece com o Lulismo).

Além disso, o império foi uma época de grandes personalidades, como o próprio imperador D. Pedro II (um polímata, que se recusava a aumentar os próprios vencimentos e morreu pobre, no exílio) e da Princesa Isabel (que deu o trono pela libertação dos escravos, e cujo processo de canonização está em curso), além de figuras como Joaquim Nabuco, Machado de Assis e os irmãos Rebouças, que também eram apoiadores da monarquia. O próprio Rui Barbosa, que apoiou o golpe, arrependeu-se amargamente ao descobrir que sua Constituição de Papel e seu dinheiro de papel nada eram contra a força bruta das elites oligárquicas locais, e lamentou haver apoiado a "república". Na verdade, parafraseando o pesquisador Christian Lynch, podemos dizer que o Império é que era república. A "república" era apenas um ringue de combate das oligarquias locais entre si, tanto é que deu no que deu, na ascensão de um caudilho, de um "novo monarca", ao poder."

Gostou? Compartilhe