Fatos 29.10.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Pacificação e liberdade
O grande desafio do presidente eleito Jair Bolsonaro, PSL, é pacificar o Brasil. A polarização sem precedentes na história deixou marcas profundas. É preciso apaziguar os ânimos. No primeiro pronunciamento que fez, Bolsonaro garantiu que vai governar seguindo a Constituição e que as liberdades serão garantidas: “liberdade de ir e vir, liberdade para empreender, liberdade religiosa”. Bolsonaro agradeceu aos internautas e com toda a razão. Ele fez uma campanha sem participar de debates, enclausurado por conta do atentado que sofreu e da longa recuperação. sem recursos públicos, mas apoiado por empresários. As redes sociais foram o palanque de Bolsonaro, com um exército de pessoas compartilhando infinitamente posts de toda a ordem, incluindo as famigeradas fake news, que fugiram do controle da Justiça Eleitoral. O fato é que, 55% da população brasileira decidiu dar uma guinada na forma de governar o país, rompendo com um ciclo petistas que vem desde 2002. Deixa a esquerda e vai para a extrema-direita.


Perdeu
O PT perdeu para ele mesmo, para sua arrogância e soberba. Terá que se reinventar e reconquistar espaço, porque o país precisa de pluralidade partidária se quiser manter a democracia.

 

Números
No Rio Grande do Sul, Bolsonaro ampliou significativamente sua votação em relação ao primeiro turno. Fez 63,74% dos votos, enquanto Fernando Haddad somou 36,76%. Em Passo Fundo, Bolsonaro fez 64,29% e Haddad 35,71%.

 

Novidades
Algumas novidades nestas eleições: voto crítico; neutralidade e junção do nome com o de Bolsonaro. No caso do governador Sartori (Sartonaro) não deu muito certo.

 

Liderança
Ciro Gomes, PDT, e Fernando Haddad, PT, devem disputar a liderança da esquerda no Brasil. Tanto Ciro quanto Haddad, estão credenciados para voltar a disputar a presidência em 2022.

 

Abrindo voto
O anuncio do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa e do ex-procurador da República Rodrigo Janot, de que votariam em Haddad por exclusão, não sensibilizou e nem contribuiu para a esperada virada do PT.

 

PSDB e MDB juntos
A eleição para o governo do Estado ficou alijada do processo, pela polarização que seu deu na campanha à Presidência. No entanto, uma coisa é certa, PSDB e MDB devem se unir logo adiante. O PSDB esteve com José Ivo Sartori durante maior parte do governo e as propostas de Leite não divergem tanto assim das que vem sendo praticadas por Sartori. Não haverá oposição. E, em nome da governabilidade, o apoio do MDB é praticamente certo.

 

Líder do governo
O deputado estadual eleito Mateus Wesp, PSDB, está credenciado para buscar a liderança de governo de Eduardo Leite na Assembleia Legislativa. Foi o mais votado da bancada.

 

Nomes
Passo-fundenses que poderão fazer parte do governo Bolsonaro: o ex-prefeito de Passo Fundo Fernando Machado Carrion e o procurador do Estado, Rudinei Candeia.

Gostou? Compartilhe