Fatos 30.05.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Das incoerências

A greve dos caminhoneiros, que durou dez dias, encerra com uma série de incoerências. Começou com a finalidade de baixar o preço do diesel. Recebeu a simpatia da população que está estrangulada de tanto pagar impostos. Avançou no atendimento das reivindicações, mas se perdeu no meio do caminho. Contrariando as entidades que representam a categoria e que pediam o fim do movimento, seguiu até a quarta-feira, causando desabastecimento e prejuízos incalculáveis. Os impactos ainda sentiremos por muito tempo. Os 46 centavos conquistados na redução do diesel não terão significado perto da conta que virá para pagar o prejuízo. Entidades empresariais de Passo Fundo, por exemplo, que manifestaram apoio ao movimento, pediram o fim da paralisação, diante dos danos já causados. Foi sem medida e ficou fora de controle.

Das incoerências II

E fora de controle se viu ‘de um tudo’. Patrocinado pelo ‘zap zap’, teve coronel do exército conclamando a população para um ato de destituição do presidente Michel Temer (seria na quarta às 17h); teve grupo pedindo o intervenção militar ao som de Geraldo Vandré, ‘Pra não dizer que não falei das flores’. E tantas outras bobagens que não valem nem a pena citar aqui.

Das incoerências III

A pior das incoerências é a moral de cueca: se fala tanto e de boca cheia que políticos não prestam, que o Brasil não vai pra frente se não acabar com a corrupção, etc. Mas, na primeiro oportunidade que se tem para levar vantagem, a moral some na hora. E quanta gente levou vantagem com o desabastecimento. Lei da oferta e da procura? Lei da ganância e da cara de pau. Quem não tem moral, não pode exigir que o outro tenha.

Recepção

José Fortunati (ex-PT, ex-PDT e agora PSB) esteve em Passo Fundo na quarta-feira. Não conversou com a bancada socialista na Câmara de Vereadores. Esteve acompanhado pelo líder comunitário Marcelinho Chaves, do Podemos. Fortunati quer disputar com Beto Albuquerque a vaga do partido ao Senado. Decisão será tomada no dia 9 . Na terra natal de Beto, a recepção foi protocolar, porque a visita pareceu uma afronta.

 

 

 

Gostou? Compartilhe