Fragmentos

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

No último sábado almocei com enciclopédias da cirurgia geral e trauma, Drs Samir Rasslan e Roberto Saad Jr, em restaurante próximo ao Sírio. Lá frequentam artistas globais e, enquanto saía, adentrava Ricardo Boechat. Sentar-me à mesa com celebridades de meu ramo de conhecimento e trocarmos ideias sobre o passado e futuro da cirurgia e trauma, sobre os destinos das faculdades de medicina e à cerca do butim científico que deixaremos aos jovens vale mais do que qualquer certificado de conclusão de cursos. À noite perdi os shows de Erasure (a little respect), Ozzy Osborne e Marcos Valle/Carlos Lyra/João Donato/Roberto Menescal (personagens de memórias do tempo que não vivi e que constam abundantemente nos livros de Ruy Castro); todos os shows que pretendia assistir estavam com os ingressos esgotados, que pena.


Passo Fundo claudica com a estrada Transbrasiliana que há décadas aguarda asfaltamento; com a duplicação da estrada para Marau; com os tropeços do futebol profissional do EC Passo Fundo, com a timidez indesculpável do aeroporto e com a dificuldade de grandes empreendimentos ligados ao varejo se instalarem no rincão. Que é que há? Tem gente nos ultrapassando em alta velocidade e vamos ficando de lado.


Meu filho completou 27 anos em 17 de maio. Quando tinha essa idade constava 1984, o ano em que deixei de ser menino para ser homem. Havia regressado de meu período militar obrigatório em Santiago (terra de Gilberto Monteiro), tinha sido submetido a uma espécie de exílio (longe dos amigos e com pouca grana) e necessitava estabelecer o que seria da minha vida ou do resto dela. Aos 27 compreendi que, ao contrário do que imaginava, pouco conhecia da vida e que seria necessário ouvir mais do que falar, sobretudo ler. Essa introspecção permitiu que, se não soubesse claramente o que queria da vida, pelo menos eu saberia o que não querer para o futuro. O destino e os caminhos dele se assemelham aos meus e fico feliz em repassar ao meu menino as minhas aventuras e desventuras.


Encontro amigo que, choroso, revela estar convivendo com câncer de próstata. Ouço-o e repasso o que aprendi com uma verdadeira fera de convívios e ressonâncias. A fera tinha uma doença grave e estava feliz. Disse-me: “Deus gosta muito de mim; pedi candidamente a Ele que se uma bomba qualquer caísse em minha família que caísse em mim, nunca na minha mulher e filhos ou netos. Ele me ouviu e me abençoou, todos os dias agradeço em oração”. Disse então, ao amigo choroso que o capitão do time desce para o vestiário com o placar adverso de 0x4 e diz para a turma desarvorada com o resultado parcial: se agente não conseguir reverter o resultado, vamos jogar pela honra, como se estivesse 0x0. Esse é o capitão, o cara que vai dar entrevista coletiva nas desgraças, que vai dar a cara à tapa, o cara que não vai fugir das responsabilidades. Não é todo mundo que é capitão mas, todos podem ser.


É assim a vida, de observações e aprendizados. Melhor ouvir Coldplay.

Gostou? Compartilhe