Fraternidade e superação da violência III

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

É necessário destacar que o objetivo principal da Campanha da Fraternidade é a superação da violência e não a violência em si. O ponto de partida é a realidade atual com toda a sua dramaticidade. Depois de ver a realidade - segundo a metodologia ver-julgar-agir - é preciso julgar a realidade. Com qual ponto de vista interpreto e vejo a realidade da violência? Como Igreja, partimos do olhar de Deus, expresso nas Escrituras, e da moral cristã. Por excelência Jesus Cristo é uma pessoa não violenta e nele se supera toda violência. Mas, hoje recordo alguns ensinamentos da Igreja Católica, nas palavras dos últimos papas.


São João XXIII publicou, em 11/04/1963, a encíclica “Pacem in Terris” (Paz na terra) num período em que aumentavam as tensões entre os Estados Unidos e a União Soviética, entre o bloco comunista e capitalista. Em 1945 tinha terminada oficialmente a 2ª Guerra Mundial e havia tensões suficientes para iniciar uma nova. Escreve o papa João XXIII: “A violência só e sempre destrói; só excita paixões, nunca as aplaca; só acumula ódio e ruínas e não a fraternidade e a reconciliação... A todos os homens de boa vontade incumbe a tarefa de restaurar as relações de convivência humana na base da verdade, justiça, amor e liberdade” (nº 161-162).


No dia 08 de dezembro de 1967, o papa Paulo VI propôs o “Dia Mundial da Paz”. “A proposta de dedicar à paz o primeiro dia do novo ano não tem a pretensão de ser qualificada como exclusivamente nossa, religiosa ou católica. Antes, seria para desejar que ela encontrasse a adesão de todos os verdadeiros amigos da paz”, dizia, em sua mensagem. Também destacava que a superação da violência precisa de um “espírito novo”, “um novo modo de pensar o homem e seus deveres e o seu destino”. Além disso manifesta a sua convicção: “do Evangelho pode brotar a paz, não para tornar os homens fracos e moles, mas para substituir nas suas almas os impulsos de violência, de prepotência, pelas virtudes viris da razão e do coração dum humanismo verdadeiro”.
A partir desta data todos os papas tem enviado uma mensagem para a celebração do Dia Mundial da Paz, no primeiro dia do ano, refletindo e destacando elementos essências da construção de novas relações. Nestas 51 mensagens são abordados diversos temas conclamando “os verdadeiros amigos da paz”.


São João Paulo II, em 1986, destaca a estreita relação entre paz e justiça: “Ainda que não haja conflito armado como tal, em ato, onde há injustiças existe realmente uma causa e um fator potencial de conflito. Em todo o caso, uma situação de paz, no pleno sentido do valor da expressão não pode coexistir com a injustiça”.


Bento XVI, em 2009, fala da dignidade humana e dos direitos humanos. “Somos todos convocados a fazer o possível para apartar da sociedade não só a tragédia da guerra, mas também qualquer violação dos direitos humanos, a começar do indiscutível direito à vida, de que a pessoa é depositária desde a sua concepção. Na violação do direito à vida de cada ser humano está contida também em germe a inaudita violência da guerra”.


O Papa Francisco, na mensagem de 2014, fala da importância da fraternidade, pois todos somos irmãos: “Na realidade, a fraternidade é uma dimensão essencial do homem, sendo ele um ser relacional. A consciência viva desta dimensão relacional leva-nos a ver e tratar cada pessoa como uma verdadeira irmã e um verdadeiro irmão; sem tal consciência, torna-se impossível a construção de uma sociedade justa, duma paz firme e duradoura”.

Gostou? Compartilhe