Histórias de um Império

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em 7 de setembro de 1822, o Brasil declarava a sua independência de Portugal. Nascia assim o Império do Brasil, sob a regência de D. Pedro, filho de D. João VI, tornando-se D. Pedro I do Brasil. A monarquia e o império perdurariam até 1889, quando a república fora proclamada. deixando para trás uma rica história de um dos períodos mais turbulentos de nossa história. Período de guerras e revoluções, mas também de prosperidade e paz, onde personagens como imperadores, princesas, escravos, índios e imigrantes, vindos de todos os cantos do mundo, principalmente da Europa, coexistiram. 

 

A história desses personagens fora deixada para nós através de várias fontes, como cartas, livros, jornais e documentos. Não apenas a histórias dos imperadores, marechais ou de ricos empresários, mas também do povo comum, como, por exemplo, a do escravo fugido Ignacio, que foi perseguido e morto após uma luta com as forças imperiais, aqui mesmo em Passo Fundo, no dia 1 de dezembro de 1878. Esse fato deveu-se a roubo de gado cometido no município e região. Ignacio teria vindo fugido de São Paulo, após raptar uma moça de nome Emília que, de acordo com o relatório da Assembleia Legislativa de 1879, era filha de uma pobre viúva, tida como “honesta”.


Outro caso seria do imigrante espanhol Thomas Solano que enviou ao vice-cônsul brasileiro na Argentina, através do porto de Uruguaiana, pelo vapor Uruguai em 1879, um caixote contendo, aquilo que foi chamado pelas autoridades de “uma máquina explosiva”, destinada a cometer grandes “estragos”. Porém, devido a um defeito no dispositivo, ela deixou de explodir no momento em que o caixote foi aberto. Solano fora preso, mas, devido a um habeas-corpus, foi solto posteriormente, vindo a desaparecer logo em seguida.


Numa averiguação de situações criminosas, a nobreza também se fez presente. Foi o caso do barão de Ijuhy, preso em 1877, por ter ordenado o ataque a um igreja onde estava sendo realizada a contagem das cédulas eleitorais do pleito primário, no dia 4 de outubro do mesmo ano. De acordo com os documentos, “indivíduos não qualificados, vindos do Estado Oriental, que costumavam a estar aggregados ao bando do barão de Ijuhy.’’, realizaram atos de violência contra as pessoas que ali trabalhavam, resultando na morte de um coronel e no ferimento de vários outros, além da destruição da urna e consequentemente de todas a cédulas eleitorais.


Relatos do período imperial como estes e muitos outros mais, não somente do Rio Grande do Sul mas de todo o Brasil, encontram-se disponíveis para consulta no acervo do Arquivo Histórico Regional (AHR), seção do Império.

 

Jeferson Hensel Zanon
Acadêmico do Curso de História UPF
Estagiário do Arquivo Histórico Regional

Gostou? Compartilhe