Igreja pede moderação no uso de buzinas no centro

Será a 57ª edição da celebração em honra ao protetor dos motoristas e viajantes

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Muita fé e devoção em Passo Fundo no próximo domingo (22). Como é tradicional, o dia será de homenagem a São Cristóvão. Pela 57ª vez acontecerá a festa do protetor dos motoristas e viajantes. A celebração se inicia com a procissão até a paróquia, onde será realizada benção, missa e reunião dançante. Devido a reclamações dos moradores do centro, o uso de buzinas durante o trajeto será feito de forma mais moderada.

 

O trevo da Caravela será o ponto de partida da procissão. Mais de cinco mil veículos são esperados para iniciar o trajeto às 07h30. O percurso passa pela Avenida Brasil, segue pela Sete de Setembro, Parque da Gare e se encerra na Paróquia São Cristóvão. Após o trajeto de aproximadamente 60 minutos, começa a benção. A missa está programada para às 10h e a partir das 10h30 os churrascos já podem ser retirados. Às 14h30 será realizada a benção da saúde e dos objetos religiosos e a reunião dançante segue durante a tarde. “Cristóvão ajudava crianças a atravessarem um rio. Certo dia, carregava uma criança muito pesada para o outro lado. Ele não estava carregando o peso do mundo, mas levava o filho do dono dele”, contou o Padre Vanderlei Bervian sobre a origem do protetor dos viajantes.


Buzinas
Para celebrar a data, é comum os motoristas participantes usarem as buzinas dos veículos como forma de celebrar a data. No entanto, o ato anual causou reclamações da Associação de Moradores do Centro. Em 2017, a paróquia foi denunciada e compareceu à Promotoria de Justiça, juntamente com os agentes de trânsito e policiais responsáveis. De acordo com Vanderlei, foi colocada em pauta a discussão de um caminho alternativo, mas acabou não sendo encontrado pelo fato de grande parte dos veículos envolvidos serem caminhões. Para este ano, uma campanha está sendo feita pela paróquia para que as buzinas sejam mais moderadas no centro da cidade e se acentuem mais próximos ao destino final.

Gostou? Compartilhe