INSTABILIDADE NOS SERVIÇOS DE INTERNET

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma avalanche de reclamações em relação à instabilidade e quedas de sinal de banda larga tem sido registrada pelos órgãos de fiscalização, como Procons e Agência Reguladora. No início dessa semana, o caso mais grave foi com problemas na prestação de serviços das operadoras Claro e Vivo em várias regiões do país, especialmente nas capitais. O problema também foi detectado pelo site Down Detector, que mapeia falhas na prestação do serviço. Uma das possíveis causas para a intensificação do problema é que o isolamento social realizado para conter a pandemia de COVID-19 (novo coronavírus) intensificou o uso de serviços de streaming de áudio e vídeo, e de chamadas por videoconferência. Segundo análise do Jornal Folha de São Paulo, as operadoras do setor não se prepararam para um pico de demanda e enfrentaram uma situação nova, já que antes da quarentena, os consumidores não usavam a totalidade da banda contratada em seus pacotes de internet. No caso das videoconferências, como as feitas pelo Zoom ou pelo Skype, especialistas explicam que esse tipo de conteúdo passa por redes chamadas ponto a ponto (P2P), que dependem mais da infraestrutura como geral do que a transmissão de conteúdos da Netflix ou do Youtube. Ou seja, o problema dessas instabilidades está na falta de infraestrutura do setor que precisa adotar medidas para entregar toda a capacidade contratada pelo consumidor.

NEGATIVADOS CHEGAM A 60 MILHÕES

O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) divulgou a mais recente Sondagem do Consumidor, demonstrando que 28,6% dos brasileiros está em “situação de estresse financeiro”. Os dados são analisados desde 2009. No último levantamento, em abril deste ano, o índice bateu o recorde histórico, comprovando o aumento de parcela da população que está gastando suas reservas ou se endividando para pagamentos de dívidas atuais. Segundo a mesma pesquisa, o Brasil já tem 60 milhões de negativados.

GOLPES PELA INTERNET

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor disponibiliza um material no seu site – com conteúdos liberados também para os não-assinantes, nesse período de pandemia do COVID-19 – alertando para o aumento de golpes pela internet. Uma das principais iscas para a aplicação do golpe é o envio de emails ou mensagens com oferta de brindes, especialmente equipamento de proteção. Todas as dicas podem ser conferidas no site idec.org.br. Uma das dicas é observar, no caso de links, se o site possui o "cadeado" do lado do endereço, o que demonstra segurança no site (com certificado HTTPS). Outra sugestão é nunca fornecer informações pessoais em sites e aplicativos que não reconheça.

Gostou? Compartilhe