Justiça mantém reforço policial para medição de área

O levantamento deve iniciar no dia 26 deste mês, e envolve as áreas 2,3 e 3 da ocupação Pinheirinho Toledo

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Justiça Federal manteve o reforço policial solicitado pela empresa Rumos Logística para realizar a medição da distância entre as casas e os trilhos da rede ferroviária, em Passo Fundo. O levantamento deve iniciar no dia 26 deste mês, e envolve as áreas 2,3 e 3 da ocupação Pinheirinho Toledo, no bairro Petrópolis.


A empresa, juntamente com o Departamento de Infraestrutura de Transporte (DNIT), havia ingressado com pedido de reintegração de posse alegando a existência de moradias instaladas dentro da área operacional, a chamada faixa de domínio, até 30 metros de distância do eixo ferroviário. Em março do ano passado, a Justiça Federal de Passo Fundo, através da 2ª Vara, deferiu o pedido. A Comissão dos Direitos Humanos de Passo Fundo recorreu da decisão. Três meses depois, a Justiça suspendeu a reintegração em razão de dúvidas quanto à medição de algumas casas. Também determinou que a empresa realizasse uma nova medição da área, justamente para precisar quais e quantas casas ultrapassaram o limite estabelecido. Aproximadamente 150 famílias residem há cerca de dois anos na ocupação.


Para realizar este trabalho, a Rumos solicitou reforço da Polícia Federal e Brigada Miiltar. O pedido foi deferido pela Justiça. A Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo (CDHPF), recorreu da decisão. O advogado da entidade, Leandro Scalabrin, argumentou que, além de desnecessária, a medida tinha o objetivo de constranger e intimidar as famílias. Entretanto, a Justiça negou o pedido e justificou na decisão que ' a presença de efetivo de segurança pública no local na data da diligência visa apenas resguardar a integridade de todos os envolvidos no processo, independente da demonstração concreta de risco".

Gostou? Compartilhe