Mamy Blue

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Teletema é um livro de Guilherme Bryan e Vincent Villari que adquiri em 2015 e que versa sobre a história da música popular através da teledramaturgia brasileira entre os anos 1964-1989 (Volume I). É leitura deliciosa que disseca as músicas e músicos da época, comentários e informações importantes das trilhas nacionais e internacionais das novelas e minisséries que embalaram a juventude e amores-paixões de muita gente, inclusive a minha. Hoje, quarta, lembrei de Mamy Blue, música cantada por Ricky Shayne, cantor egípcio que emplacou hits cantados em alemão e esta, em inglês. Trata-se do lamento de um cara de 21 anos à morte e o extremo vazio deixado pela morte da mãe. Mamy Blue foi encaixada na novela Bandeira 2 que teve outros hits marcantes como aqueles fonogramas cedidos pela Top Tape-Motown como: Got To Be There (do primeiro álbum solo de Michael Jackson), o novato Stevie Wonder, The Supremes (ainda com Diana Ross), Mireille Mathieu com Acopolis Adieu. A trilha brasileira organizada por Nonato Buzar tem como destaque o samba-enredo Martin Cererê (vem cá Brasil deixa eu ler a sua mão, menino / que grande destino reservaram pra você) da Imperatriz Leopoldinense, até então uma pequena escola de samba de Ramos, música de Zé Catimba, personagem introduzido na novela e interpretado por Grande Otelo; tem Desacato de Antônio Carlos-Jocafi, tem Maysa...É uma das poucas novelas da época que não teve músicas encomendadas pelos irmãos Ângela-Paulo Sergio-Marcos Valle. Era o começo da Som Livre e que foi fundada e comandada por muito tempo por João Araújo (pai de Cazuza), depois de ter trabalhado na Copacabana Discos, Odeon, Philips, contratando na época Gal, Caetano e Jorge Ben.

 

Este livro foi adquirido por duas razões: pela curiosidade musical e pela associação de minha vida com a música, principalmente pelas que embalaram nossas vidas. Mas, confesso, que a principal razão foi a de permitir que, ao ler os enredos das novelas fosse-me permitido a aproximação com minha falecida mãe, que acompanhava as novelas com muita ternura, ao lado de minha irmã. Sinto-me perto da pele, como se lêssemos e relembrássemos juntos.


Mamy Blue tem o histórico da falta da mãe, mas foi encaixada como tema de par romântico (nada a ver) e lembrei dela nessa data triste onde uma mãe morre em acidente de trânsito deixando filhos de 8 anos. Entristecido, mesmo sem ter qualquer convivência com as vítimas, pensei nos vazios das partidas; partidas, muitas vezes, sem despedidas. Fez lembrar que devemos estar sempre de malas prontas, sem ranços, sem dívidas pessoais, sem que se tenha necessidade de pedir desculpas a ninguém. Fez –me concluir, ainda uma vez, que temos mais necessidades dos filhos do que aparentemente deles para nós.

Gostou? Compartilhe