Melhor, impossível

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Missão Impossível, o filme de 1996, é um dos mais subestimados de Tom Cruise e do diretor Brian DePalma. Via de regra, muita gente fica no meio do caminho: não é a obra de ação incessante que muitos esperavam, e para muita gente também não tem cara de DePalma. Adoro o filme, porque ele representa, em 1996, uma mudança dos próprios conceitos que fizeram a série dos anos 60 se tornar um sucesso – e que fizeram a trilha sonora de Lalo Schifrin entrar no imaginário popular e ser conhecida até por quem nunca viu o seriado.

No tempo em que o seriado de TV estreou, o inimigo estava atrás da cortina de ferro, no auge da Guerra Fria. Já havia, na literatura, obras e autores marcantes abordando a espionagem e, nos cinemas, James Bond representava o estereótipo do agente secreto – no caso de Bond, enfrentando no segundo filme o inimigo de forma direta (“Moscou contra 007”, de 1963).

Quando a série ganhou as telonas, graças ao empenho de Tom  Cruise, a situação já havia mudado. Desde 1989, o inimigo vermelho já havia caído, e muitos filmes exploravam os resquícios da guerra fria, os agentes duplos ou os descontentes, remanescentes com sonhos grandiloquentes de manter viva a disputa com o ocidente. Mas o filme já havia entendido que um novo tempo estava prestes a começar – o tempo dos agentes da tecnologia, das guerras digitais, da venda de armas, do contrabando de informação, dos crackers e invasores de sistemas, dispostos a passar esses segredos a quem  pagasse mais. Enquanto Hollywood se  voltava, ainda, na busca por novos inimigos palpáveis – os árabes, os orientais, os coreanos, os cubanos – a série produzida e protagonizada por Cruise decidiu apostar que o pior inimigo pós-guerra fria não seria visível, não teria fidelidade a uma nação e não seria um mero estereótipo.

O bom de “Missão Impossível”, a série, é que o próprio Cruise corrigiu o rumo da franquia quando ela derrapou. Depois do estilo meticuloso de DePalma, baseado em closes, em uma montagem cuidadosa para gerar tensão e apoiado em um roteiro direcionado não a manter o espectador pelo movimento incessante, mas pela tensão, o segundo filme foi dirigido por John Woo, diretor estilista de Hong Kong que incute sua marca pessoal em tudo o que toca. Fez grandes filmes de ação, mas o que ele alcançou em “Missão Impossível II” é constrangedor. Cenas em câmera lenta, um Tom Cruise de cabelos mais longos e cenas de ação  coreografadas pelo que aparentam visualmente, não pela forma que funcionam. As críticas levaram Cruise a repensar os rumos da série, e a partir daí, tudo passou a funcionar. O terceiro filme introduz novos personagens, oferece a Ethan Hunt, o protagonista, uma vida fora do trabalho e passa a dar mais atenção ao  peso do antagonista e os estragos que ele pode causar no personagem principal. “Missão Impossível” passa a ser uma série em que seu protagonista é facilmente identificável e é graças ao personagem bem construído que os filmes seguintes vão evoluindo: o quarto é superior ao terceiro. O quinto, “Nação Secreta”, é superior ao quarto. As expectativas em cima do novo filme, “Fallout”, eram imensas – também por conta dos apuros passados por Tom Hanks nas filmagens. O ator, que gosta de dispensar dublês e CGI em muitas cenas, e até aprendeu a pilotar helicópteros e aviões para os filmes, quebrou o tornozelo durante um salto sobre um telhado e atrasou a produção quatro meses (o momento do filme em que ele pula um telhado e sai mancando é real). A adição de Henry Cavill (o “Superman” dos filmes da DC) como um agente da CIA só trouxe mais expectativa ao filme.
A boa notícia? “Missão  Impossível – Efeito Fallout”, que estreia nos cinemas de Passo Fundo neste final de semana, vale o ingresso, pelo desenvolvimento dos personagens, pela trama, pelas cenas de ação e o conjunto da obra. É o melhor filme da franquia até agora!

***

Aos ligados em série, a Netflix disponibilizou na sexta a nova temporada de Orange is the New Black. A dica, para quem gosta de documentários – e de Segunda Guerra Mundial, que no ano que vem completa 80 anos de seu início – são dois documentários: Five Came Back, que relembra a trajetória de cinco diretores norte-americanos, John Ford, George Stevens, John Huston, Frank Capra e William Wyler, que direcionaram seus talentos ao esforço de guerra. A série, em três episódios, recupera parte da história do cinema no período mostrando como Hollywood se engajou com o conflito. O outro é “A Segunda Guerra Mundial em Cores”, fruto do uso da tecnologia para mostrar, como o título diz, o conflito que moldou o século de uma forma nunca antes vista. 

Gostou? Compartilhe