Mudanças no crédito devem alavancar o mercado imobiliário

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A minirreforma aprovada recentemente pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), no que se refere ao financiamento de imóveis, deve estimular Ainda mais a retomada dos negócios na construção civil, a partir de janeiro de 2019, beneficiando bancos, construtoras e incorporadoras e, claro, os consumidores, que pensam em investir em imóveis. Ao promover estes ajustes, o CMN, espera aquecer o segmento, estimulando também a geração de oportunidades de trabalho, assim como uma maior concorrência entre os agentes financeiros, criando um ambiente mais acessível para a aquisição de imóveis.  
 
Além de manter a obrigatoriedade de reservar 65% dos recursos captados pela poupança para o financiamento imobiliário, a mudança mais expressiva da legislação é permitir que 80% deste percentual possam ser ofertados livremente em outras linhas de crédito, como o Minha Casa Minha Vida ou no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). Antes os recursos eram destinados apenas ao Sistema de Financiamento Habitacional (SFH).  Outra mudança importante é o fim do teto máximo de 12% aplicado aos juros dentro do SFH, existente atualmente.  Com isso, os dois modelos de financiamento devem ter características muito semelhantes. Embora especule-se a possibilidade de aumento nas taxas de juros, o Banco Central garante que esta possibilidade é bastante remota, pois a mudança na legislação tende a estimular a concorrência entre os bancos.
 
As novas regras do CMN buscam ampliar a oferta de crédito habitacional para famílias de baixa renda, oferecendo benefícios aos agentes financeiros, que destinarem mais recursos da poupança ao crédito imobiliário. Os financiamentos de imóveis na faixa entre R$ 250 e R$ 500 mil passarão a ter peso maior (1,2) na contabilização de emprego dos recursos. A meta é estimular o interesse dos bancos na liberação de mais crédito para a aquisição de imóveis para esse segmento de consumidor. 
 
O sistema de correção das prestações, que atualmente é orientada pela Taxa Referencial (TR), também vai mudar. Para os contratos que não utilizam o dinheiro do FGTS para pagamento habitacional, será permitido o emprego de outros índices de atualização da inflação, como o IPC-A e o IGP-M, para a atualização das parcelas e saldo devedor.
 
O Conselho Monetário Nacional também ampliou o limite para uso do FGTS na aquisição de imóveis. Atualmente o teto é de R$ 950 mil nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Distrito Federal e de R$ 800 mil nos demais estados da federação. Agora o limite passa a ser de R$ 1,5 milhão para todo o Brasil.  Contudo, até que as novas regras aprovadas pelo CMN entrem em vigor em 2019, continuam valendo as normas atuais.
 
A previsão é que o aumento do limite de valor para o uso do FGTS estimule os consumidores a fechar a compra usando como entrada os recursos da conta vinculada do fundo. Sobre o uso de recursos do FGTS para a aquisição de imóveis, terá direito que tem no mínimo 3 anos de participação, bem como para aqueles que ainda não tenham nenhum financiamento e nem tenha imóvel em seu nome. Saldos da conta também não poderão ser usados para outros fins, como por exemplo: reformas, ampliação e compra de materiais para melhorias no imóvel. 

Gostou? Compartilhe