?? Natal

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

No Natal recordamos, em primeiro lugar, algo muito concreto e importante para os homens, algo essencial para a fé cristã, um acontecimento histórico. O evangelista Lucas assim escreve: “Eu vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós o Salvador, que é o Cristo Senhor!” (Lc1, 10-11). O próprio evangelista se preocupa em situar o fato na história, no tempo do imperador César Augusto e enquanto Quirino era governador da Síria. Este acontecimento repercutiu na história e ilumina a vida de milhões de pessoas.


Numa audiência, Bento XVI dizia: “Pelo clima que o distingue, o Natal é uma festa universal. De fato, mesmo quem não se professa crente pode sentir nesta celebração cristã anual algo de extraordinário e de transcendente, algo de íntimo que fala ao coração. É a festa que canta o dom da vida. O nascimento de uma criança deveria ser sempre um acontecimento que traz alegria; o abraço de um recém-nascido suscita normalmente sentimentos de atenção e de cuidado, de emoção e de ternura”.


Lucas já registrava que o menino Jesus seria uma grande alegria para todo o povo, isto é para toda humanidade, para o universo. É fácil constatar a movimentação de grande parte da humanidade que se inspira neste acontecimento para festejar. São luzes, canções, turismo, presentes, viagens e, particularmente para os fiéis cristãos, solenes celebrações litúrgicas e orações.


A fonte da festa universal é o nascimento de uma criança. A criança em relação ao adulto é frágil em várias dimensões, mas a sua fragilidade tem grande poder. Faz o forte se dobrar e reclinar. No Natal é Deus que se fez criança para ficar próximo dos humanos a ponto de poder ser colocado no colo, permanecer no tempo. Na gruta de Belém, Deus se mostra no humilde menino para derrotar a soberba humana e a pretensão de grandeza. Lembra aos homens que são frágeis, que não são autossuficientes. Neste sentido, o Natal é uma oportunidade privilegiada para meditar sobre o valor e o sentido da vida.


Natal é a festa da luz. A luz tem um rico significado espiritual e ajuda a compreender o Natal. É um símbolo que recorda uma realidade que atinge o íntimo do homem: à luz do bem que vence o mal, da certeza que supera a dúvida, da segurança que vence a insegurança, do amor que supera o ódio. O Natal que faz pensar nesta luz interior, na luz divina que ilumina e dissipa recantos sem luz das pessoas e do mundo. O Salvador é saudado como a estrela que indica o caminho e guia os homens peregrinos por este mundo rumo ao porto seguro da vida. O caminho seguro da verdade, da justiça e do amor.


Como fato histórico e temporal o Natal está distante, mas na fé o acontecimento é vivido no “hoje (...) nasceu para vós o Salvador, que é o Cristo Senhor!”. O acontecimento ultrapassa os limites do espaço e do tempo e torna-se atual, presente. O seu efeito perdura, pois permeia e envolve a história. Para os cristãos a celebração do Natal renova a certeza de que Deus está realmente presente, acompanha a história e assume a vida humana do tempo presente. Deus que é eterno entrou nos limites do tempo e do espaço, para tornar possível “hoje” o encontro com Ele. Deus nos oferece “hoje”, agora, para mim, para cada um de nós, a possibilidade de O reconhecer e acolher, como fizeram os pastores de Belém, para que Ele nasça inclusive na nossa vida e nos renove, ilumine e transforme.
Faço votos de que Natal renove a sua vida e lhe traga alegrias, bênçãos e paz.


Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo

Gostou? Compartilhe