O dia depois de amanhã

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A república brasileira vive tempos de profunda inquietação. O momento que ora presenciamos do Brasil, por mais difícil e/ou intragável que pareça ser, assustador para alguns, inacreditável para tantos, é o Brasil que reflete o fim de um ciclo de lideranças e o fim de um ciclo político. Extinção de um ciclo político, em razão de que governar baseado em coalizão não deu certo e custa caro: todos os interesses precisam ser contemplados e aí, a consequente necessidade de criação de diferentes espaços para acomodá-los. O custo é que a política não passa mais pela necessidade da sociedade, mas serve para assegurar diferentes tipos de ganhos pessoais, e, fim de um ciclo de lideranças oriundas da ditadura militar: exilados, presos políticos, torturados, mas sempre com armas.


Qualquer escolha baseada na força, não é escolha, é obediência. Surge a democracia e com ela a “constituição cidadã” promulgada por Ulisses Guimarães que pretendia ali, criar mecanismos para reparar toda a dívida social com o povo brasileiro. Tancredo não assumiu a presidência, quis o destino que um egresso da Arena, José Sarney, assumisse. Através dele se sucederam diversos planos econômicos, todos, sem exceção, não deram certo. Se decretou a moratória. Deputado, Luis Inácio LULA da Silva bradou que no Congresso Nacional existiam 300 picaretas. Collor, o então caçador de marajás, o confisco das poupanças e o fim da esperança nacional. Na época, sofreu o impeachment porque encontraram um Fiat Elba não declarado, adquirido com sobras de campanha.


Assumiu Itamar Franco, um governo pela união nacional, que o Partido dos Trabalhadores (PT) se recusou a participar – bem, pelo menos havia uma oposição. Itamar ainda incentivou a Volkswagen para que voltasse a produzir o fusca, para atender o público de baixa renda, bancou e criou o Plano Real. O Plano Real faz possível derrubar a inflação e projeta Fernando Henrique Cardoso (FHC), que vence as eleições e implementa reformas na estrutura do estado brasileiro: as privatizações, a reestruturação do sistema financeiro e o fim do monopólio da telefonia e do petróleo. Pecou pela vaidade, ao propor uma mudança constitucional para introduzir a reeleição no Brasil. A mudança aconteceu e foi reeleito em 1998, no primeiro turno. Desde a sua segunda posse viveu dias ruins, tempos difíceis: chegou cambaleante até o fim de seu governo, onde o PT a todo instante insistia com a tese do impeachment.


Em 2002, Lula venceu, com o estereótipo do “Lulinha paz e amor”, abandonou os dogmas petistas e escreveu a carta ao povo brasileiro, que possibilitou conquistar apoio dos agentes econômicos nacionais e internacionais. A esperança ressurgia no povo naquele instante. 2005, eclodiu o escândalo do mensalão, com um grande desgaste na imagem nacional, mas, mesmo assim, Lula consegue se reeleger. A economia andava bem e o Brasil surfava na onda dos preços da commodities internacionais em alta, foi possível então, distribuir riqueza e construir um projeto de Brasil onde a Petrobras era o grande indutor do crescimento. Em 2008, a grande crise mundial sacode os mais poderosos países do planeta, enquanto isso, Lula afirmava que tal evento era somente uma “marolinha”, e o Brasil voltou a crescer.


Lula elegeu um poste como Presidente da República em 2010, chamada Dilma. Desde 2010, Dilma conduzia a economia como se estivéssemos em uma época de bonanza, onde tudo era fácil. A economia internacioanal dava sinais de andar devagar e a Presidente manteve os gastos, não se preocupou com reformas e ainda interviu no setor elétrico, anunciando a redução de 20% nas contas de energia. Em 2014, criou o “país das maravilhas” e venceu uma das eleições mais difíceis da recente história da república brasileira. Ganhou perdendo. Chegou em 2016 aos trancos e barrancos, com uma aliança consolidada com o PMDB que não agrada nenhuma esfera do clã político. Sem projeto e tentando ganhar tempo, Dilma, passou a ser governada pelos fatos. Com o impeachment de Dilma, o poder foi ocupado pelo bom e velho PMDB, Michel Temer, o vice de Dilma, passou a ser o Presidente do País, algumas reformas foram aprovadas, a trabalhista, as contas públicas, porém em 2017 foi abatido pelo escândalo do grampo da JBS, hoje assim como foi com Dilma, não governa é governado. E então, quem se arrisca em um palpite para o dia depois de amanhã?

Gostou? Compartilhe