O Nacional

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A história quase centenária do Jornal O Nacional guarda letra por letra o pulsar da vida regional. A resistência ao tempo é mais do que a cifra dos anos, meses e dias de edição. É pulsação única que repousa latente impressa em seus arquivos. De alguma forma é trabalho impregnado de versões convictas de tudo o que envolve a comunidade, desde os primórdios no século XX, de seu desenvolvimento, até o contexto de realização de Passo Fundo. É patrimônio material, cultural e memória implacável. Obra inviolável que identifica e orgulha gerações. A valorosa existência de Múcio de Castro, que consolidou o jornal é inseparável deste arquivo heróico que contou com o peso de arautos do jornalismo. E continua sustentando cotidianamente o relato de nossos dias. Com sua direção, na pessoa de Múcio de Castro Filho e jornalistas. Esse patrimônio pertence à consciência palpável de nossa comunidade.

 

Misógino
A prática de ofensa à mulher russa, por infeliz iniciativa de executivos brasileiros é falta de talento para humor; e covardia. A perversidade praticada por nossa gente dita de elite consistiu-se em aproveitar-se do ambiente de confraria com as russas instigadas pelos “engraçadinhos”, que sugeriam repetição de expressões desairosas em português. Exploraram a boa fé. São os misóginos que se espraiam imaginando que não serão descobertos. Misógino é termo derivado do grego – “misoguinés”, que significa aversão à mulher. Certamente são os mesmos que se escondem em palpites anônimos para ofender pessoas. Ficou muito feio para o Brasil, não bastasse o que ocorre com a corrupção na política e em grandes grupos financeiros.

 

Miriam
Assisti, ontem, na TV Câmara, preciosa entrevista apresentada pela jornalista Paola Petrini. A entrevistada Miriam Postal é a grande expressão da arte de Passo Fundo, reconhecida nos foros artísticos do mundo. As pinturas de Miriam despertam sonhos em memórias lúdicas para crianças e adultos. As obras da artista são inspiradoras e suscitam a crítica sobre valores da vida, induzindo paz e respeito. As pinturas cheias de beleza espelham a personalidade maravilhosa de sua autora.

 

Bancos
Os bancos proclamam lucros assombrosos às custas de uma população cada vez mais oprimida financeiramente. O trimestre foi ótimo para os bancos, embora a gasolina, o gás de cozinha e o leite mais caro para a grande maioria. Falava-se que a inflação favorece instituição bancária. Mas esta inflação baixa favorece a quem?

 

Retoques:
?O gesto de aproximação para nos colocarmos no lugar do próximo aproxima o homem de Deus. A mania de nos colocarmos como juiz, no lugar de Deus, afasta-nos de Criador.
?No último sábado foi promovido, com apoio da Secretaria de Cultura, o encontro das etnias. A confraternização e troca de conhecimentos sobre costumes, entre africanos, portugueses, árabes, alemães e italianos é muito importante. Os costumes dos povos são manifestações que merecem olhar de respeito.
?O ministro Raul Jungmann, que parece ser estranho no ninho caótico de Temer, explica que as soluções para a segurança do Rio exigem prorrogação da intervenção federal. Assassinatos de jovens e adolescentes assumem a maior gravidade. Dos 15 aos 25 anos de idade, obviamente entre a população pobre, atinge o horror perante o mundo e os céus!
? A seleção brasileira precisa lutar mais. A manha do cai-cai não pode superar a força da irresignabilidade em campo. A prova de cada partida não é apenas o salário de cada jogador, mas inclui também a força física para chegar entes na bola e valer-se, então, da conhecida habilidade brasileira.
?Vejam o exemplo que nos mostrou a equipe do Senegal contra o Egito no mundial de futebol. Eles não chutam tão bem, mas não perderam o fôlego em nenhum instante da partida e mostraram semelhança com o suingue brasileiro.
?Ricardinho, campeão dos jogos cegos, deu a dica: coragem e galhardia!

Gostou? Compartilhe