O poder é serviço

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nos próximos dias serão eleitos no Brasil pessoas para os poderes executivo e legislativo. Transcorridos os trâmites da legalidade das candidaturas, a eleição entre os candidatos para os respectivos cargos e, por fim, a posse para exercício da devida função, os eleitos serão empossados e revestidos de poder para cumprirem as obrigações inerentes ao cargo. A Justiça Eleitoral chancela a sua legalidade.


O que é poder? Por que autoridade? O dicionário Aurélio apresenta múltiplos significados de poder: ter faculdade de; ter possibilidade de, ou autorização para; arriscar-se, expor-se a; ter ocasião, ter oportunidade, meio de; ter ocasião ou oportunidade de; dispor de força ou autoridade; ter força física ou moral; ter influência, entre outros. Percebe-se nestas poucas palavras que o poder e a autoridade não têm nada de pejorativo, mas abrem espaço para inúmeras possibilidades de realizar o bem comum. O problema não está no poder, mas no seu exercício, no abuso ou na omissão.


O Evangelho registra uma disputa de poder entre os apóstolos causando um conflito entre eles. Jesus aproveita a oportunidade para ensinar o que é poder e como ele deve ser exercido. Acompanhados pela mãe, dois discípulos pedem os dois cargos mais importantes e recebem como resposta que estes lugares não se conquistam deste modo e para chegarem lá precisarão mostrar serviço e não será pela pressão. “Sabeis que os chefes das nações as dominam e os grandes fazem sentir seu poder. Entre vós não deverá ser assim. Quem quiser ser o maior entre vós seja aquele que vos serve, e quem quiser ser o primeiro entre vós, seja vosso escravo” (Mateus 23, 25-27). É direta e límpida a resposta de Jesus que poder é serviço e assim deve ser exercido.


O poder exercido como dominação contrapõe-se ao poder como serviço. O poder como dominação é exercido sobre pessoas, grupos, se impõe pela força, pelo engano e não objetiva os interesses comuns, mas próprios. Temos um noticiário farto destes abusos e suas respectivas consequências. O poder-serviço tem como foco quem conferiu o poder, isto é, os cidadãos. O modo de exercer o poder legitima quem o exerce e lhe confere autoridade moral. Se alguém ocupa a função legalmente, mas a exerce de forma abusiva ou desleixada perde a credibilidade, a autoridade moral e questiona-se até a sua legalidade.


A nação brasileira tem múltiplas necessidades, muitas delas são urgentes e necessitam de medidas eficazes. Quanto maiores são os problemas, as soluções paliativas não são suficientes e nem é possível resolvê-los em pouco tempo. Da sintonia entre a efetiva participação da sociedade e os eleitos, os quais receberão um grande poder de servir os Estados e a Nação, deverão surgir os meios para promover o desenvolvimento de todas as dimensões da sociedade. Diz o ditado que “não se pode tapar o sol com a peneira”. Espera-se de quem for revestido de poder não use deste artifício para tapar os problemas.


“Há necessidade de dirigentes políticos que vivam com paixão o serviço aos povos, solidários com os seus sofrimentos e esperanças; políticos que anteponham o bem comum aos seus interesses privados, que sejam abertos a ouvir e a aprender no diálogo democrático, que conjugam a busca da justiça com a misericórdia e a reconciliação” (Papa Francisco, aos políticos latino-americanos em dezembro 2017).

Gostou? Compartilhe