O velho ?EUR~carnê?EUR(TM) continua vivo

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma pesquisa promovida pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) confirmou que 26,6% de brasileiros ainda utilizam o “carnê” de pagamento parcelado nas compras. O carnê foi um dos mais importantes instrumentos do sistema de crediário nas décadas anteriores, perdendo força após o advento do cartão de crédito. Segundo a pesquisa, as pessoas que usam esse sistema preferem o carnê para “não perderem o controle sobre suas dívidas.” Outra razão para o uso desse sistema é que normalmente as lojas que o oferecem, liberam o crédito com menos burocracia do que por outras formas de crédito. A pesquisa confirmou que o carnê é utilizado pelos consumidores com renda mais baixa.

 

Baratas no quarto do hotel
A presença de toalhas manchadas; falta de higiene e baratas mortas no quarto; mofo no banheiro; piscina suja; falta de comida para refeição; entre outros, levou a 36ª Câmara de Direito Privado do TJ/SP a condenar a empresa aérea TAM e um hotel a indenizar um consumidor em R$ 15 mil por danos morais. As duas empresas foram condenadas de forma solidária porque se tratava de um pacote de viagem vendido por ambas. O consumidor comprovou as condições do hotel apresentando fotos dos anúncios do pacote e os registros das condições do ambiente oferecido no hotel. O julgador considerou a responsabilidade da empresa aérea porque “ao vender um pacote de viagem que inclui a estadia”, a empresa responsabiliza-se pelos problemas encontrados no hotel, por fazer parte da cadeia de consumo.

 

Recall do Porshe
A Porshe Brasil Importadora de Veículos LTDA lançou mão de um recall no início deste mês e está convocando os proprietários do Porshe modelo 918 Spyder, ano 2014 e 2015, fabricados entre 06 de novembro de 2013 e 27 de julho de 2015. De acordo com o comunicado da montadora o defeito encontrado diz respeito “a possibilidade da troca dos braços longitudinais e transversais dos eixos dianteiro e traseiro instalados, podendo os parafusos de fixação nos braços longitudinais racharem devido à corrosão, causando a quebra do componente, com risco remoto de acidente e lesão a consumidores e a terceiros”.


FRAGMENTOS
- Os consumidores podem conferir a lista de recalls em andamento no Brasil no site da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) (http://portal.mj.gov.br/recall).


- O consumidor pode trocar o produto ou exigir o dinheiro de volta sem a necessidade de demonstrar defeito no bem nas compras feitas fora do estabelecimento comercial, compras por telefone, meio eletrônico, email ou a domicílio. O prazo para reclamar é de sete dias. Este é o chamado “direito de arrependimento” ou “direito de reflexão”.


- O Procon de São Paulo fez uma pesquisa sobre preços de medicamentos nas farmácias paulistas e constatou que alguns produtos têm uma diferença de até 849%. O dado é assustador e serve de alerta para que os consumidores façam pesquisa de preços antes de comprar os remédios.

Gostou? Compartilhe