O vereador na sociedade moderna

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Este foi o tema estudado no Fórum sobre A Atuação do Poder Legislativo Municipal na Sociedade Moderna, que aconteceu na última sexta-feira, dia 23, na cidade de Limeira, em São Paulo. A questão é aberta e se encontra muito distante de uma definição, por isto a importância do debate. É certo, contudo, que se o vereador seguir fazendo o que sempre fez, a sociedade não reconhecerá sua utilidade política e ele permanecerá se guiando por um modelo já esgotado.

 

O modo usual de agir é o que coloca o vereador diante do eleitor, atuando para o eleitor, procurando satisfazer o eleitor. É neste ponto que reside a causa de desconstrução desse modelo pela sociedade moderna. O que se quer do vereador é que ele se coloque diante do cidadão, atue para o cidadão e procure atender ao interesse do cidadão. O diálogo e a ação da vereança não podem ser de natureza eleitoral, devem voltar-se ao atendimento da construção de cidadania. No modelo que se habituou praticar, a eleição permanece ativa durante o mandato, conduzindo as decisões parlamentares.

 

Quando, por exemplo, o vereador atende a um pedido de uma pessoa para que seja trocada a lâmpada que está queimada em frente a sua casa, ele está “despachando”, prestando um favor ao eleitor. Quando, no entanto, o vereador, diante de dezenas de pedidos para que sejam trocadas lâmpadas, induz o prefeito a criar um plano diretor de iluminação pública que leve em consideração o uso sustentável de energia, o alcance da luz artificial e o seu desdobramento sobre a percepção ambiental e o comportamento humano no Município, atendendo necessidades de deslocamento, segurança, integração social, lazer, eficiência energética e meio ambiente, está construindo cidadania.                   

 

A atividade de legislar é outro exemplo de atuação parlamentar que deve ser revisada, pois a grande preocupação do vereador, no atual modelo, é de propor projeto de lei. A noção que se tem é que se o vereador propõe um ou dois projetos de lei, ele trabalha pouco, ao passo que se propõe dezenas de projetos, então trabalha muito. O que a sociedade espera do vereador é que ele impeça a edição de leis inúteis e demagógicas e não que ele colabore para a proliferação de leis desnecessárias.

 

A fiscalização parlamentar também é atraída para o debate, pois o modelo que hoje se pratica é reativo e focado no ilícito. O vereador fica atento para que na administração pública não haja corrupção, improbidade ou prática de crimes contra o erário. Isso não é errado, o problema é quando só isso é feito. A fiscalização, pelo vereador, deve ser ampliada, pois ele é o tutor da cidadania, cabendo-lhe o controle externo da eficiência governamental, naquilo que é lícito. Não basta a honestidade, o governo deve ser competente. Essa tarefa, de confirmar a eficiência governamental para o cidadão, em áreas como saúde, educação, moradia, empregabilidade, saneamento básico e outras, deve ser absorvida.

 

Mas o primeiro passo, no entanto, para que qualquer modelo seja revisado, é a percepção de seu desgaste pelos que, com ele interagem. É importante, nesse sentido, que os vereadores, em suas respectivas câmaras, conversem entre si, debatam, para que a reconstrução desse modelo seja guiada pela cidadania. O certo é que a sociedade está sendo muito clara ao sinalizar que como sempre foi feito não dá mais.

 

 

André Leandro Barbi de Souza

Fundador e Sócio-Diretor do IGAM, Autor e Professor com Especialização em Direito Político

Gostou? Compartilhe