Observatório de Bioética

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As investigações sobre a vida, em particular a vida humana, desencadearam avanços maravilhosos e surpreendentes em todas as áreas. Multiplicaram-se as faculdades para se tornarem universidades. Internamente nas faculdades foram surgindo as especialidades. Além de novas teorias e descobertas surgem os mais variados instrumentos.

 

Permanecendo somente no campo da medicina, os seus avanços permitiram uma maior qualidade de vida e um prolongamento significativo da mesma. Um melhor conhecimento do corpo e do seu funcionamento desencadeou a descoberta de uma infinidade de medicamentos e procedimentos médicos. Tecnicamente muitas ações são possíveis, mas ao mesmo tempo, foram surgindo novas perguntas de ordem filosófica, ética, psicológica, religiosa, legal, etc. Inclusive desencadeou o surgimento de uma nova área de pesquisa e uma nova palavra: Bioética.

 

Este complexo mundo fascinante, de muitas respostas e de muitas perguntas, provocou a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB – Regional Sul 3 à criação de quatro Observatórios de Bioética no Rio Grande do Sul. Também se soma o desafio lançado pelo Papa Francisco, na Exortação Apostólica “A alegria da Verdade”, de 27 de dezembro de 2017, para que as Universidades e Faculdades Católicas exerçam a sua missão de investigação da verdade. No dia 07 de novembro, em Passo Fundo, foi oficializado o projeto.

 

Os Observatórios de Bioética vão se pautar por alguns critérios, começando pela atitude de diálogo. Dialogar numa sociedade plural não é simplesmente uma tática, mas uma exigência na busca da verdade que traz alegria. O diálogo tem a marca do ouvir, do argumentar, do respeitar pontos de vista permitindo avançar e ampliar a compreensão dos temas em debate e gerando uma cultura do encontro e da convivência fraterna. Dialogar também é um exercício de humildade. Por isso os Observatórios são compostos de representantes de várias instituições.

 

Um segundo critério é a interdisciplinaridade e a transdisciplinaridade exercidas com sabedoria e criatividade. As especialidades conseguem ver muito bem uma dimensão do ser humano, mas necessitam dialogar com as outras permitindo uma visão integral do mesmo. É princípio vital e intelectual da unidade do saber na distinção e respeito pelas múltiplas, conexas e convergentes expressões. É uma maneira de superar as visões reducionistas da vida humana.

 

O Papa Francisco na “A Alegria da Verdade” ressalta a necessidade de colaborar com a construção de uma cultura de vida, na qual o Cristianismo tem uma grande contribuição a dar e da qual não se pode omitir, pois os ensinamentos do Evangelho de Jesus Cristo oferecem muitas inspirações.

 

Os Observatórios de Bioética têm por objetivo colaborar com a Igreja e a sociedade emitindo opiniões, respondendo a consultas, assessorando sobre temas de bioética, promovendo o diálogo com as Instituições, estabelecendo contatos. Será mais um serviço à verdade, ao bem integral do ser humano, à família e à ecologia integral.

 

Ao lado destes observatórios de caráter de pesquisa científica, estarão as Comissões de Vida e Família da Pastoral Familiar. No Rio Grande do Sul milhares de casais e famílias pertencem e participam de algum grupo ou movimento familiar. A sua organização e metodologia se torna um meio para aprofundar os questionamentos existentes e também um campo amplo de assimilação e divulgação das reflexões e estudos.

Gostou? Compartilhe