Passo Fundo melhora pontuação, mas perde posição

Município ficou na 66ª colocação estadual e o melhor indicador foi na área de emprego e renda

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O município de Passo Fundo melhorou a pontuação, mas perdeu posição, ficando na sua pior colocação no ranking do Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) divulgado nesta semana, referentes ao ano de 2016. O município resentado crescimento em todos os itens avaliados, Passo Fundo ficou apenas na 66ª colocação dentre os municípios do Estado, com índice de 8,8060, que coloca o município no grupo que alcançaram índice de alto desempenho. O município aparece na 371ª posição nacional. O melhor desempenho no ranking foi na área de emprego e renda, na qual obteve a sétima colocação estadual. O IFDM avalia ainda a saúde e a educação.


Os dados divulgados são referentes ao ano de 2016 e mostram que Passo Fundo caiu sete posições em relação ao ano de 2015, passando de 59º para 66º no índice geral. Este é a pior posição em relação aos municípios do Estado. Em 2014 Passo Fundo ficou na 64º posição; em 2013 era o 55º; 2012 – 57º; 2011- 43º; 2010 – 57º; 2009 – 50º; 2008 – 53º; 2007 – 64º; 2006 – 46º; e 2005 – 43º.


Segundo o prefeito Luciano Azevedo, apesar das dificuldades financeiras que o país ainda enfrenta, Passo Fundo cresceu no IFDM. Em relação ao ano anterior o município foi de 0.7941 para 0.8060 na pontuação, registrando alto desenvolvimento. As áreas de educação, saúde e emprego e renda, que são avaliadas na composição do índice, receberam mais pontos pelo desenvolvimento de melhores condições, cenário que contrasta com a evolução geral apontada pelo IFDM: a crise econômica, que teve início em 2014 e causou forte recessão no país, fez com que o nível socioeconômico das cidades brasileiras retrocedesse três anos.

 

“Passo Fundo segue um caminho de muitas conquistas mesmo com as dificuldades econômicas e sociais que enfrentamos no Brasil. Temos a revitalização da Avenida Brasil, a recuperação do Hospital Municipal, novas escolas e unidades de saúde. Tudo para que a comunidade seja cada vez mais beneficiada e tenha seus direitos respeitados”, disse o Luciano. A saúde teve o índice mais alto do município, com 0.9034, seguido da educação com 0.7754 e do emprego e renda com 0.7391.


Reflexos da crise
Para o administrador Adriano José da Silva, a queda do município e até mesmo o crescimento lento dos indicadores representa impactos da crise financeira no Brasil do ponto de vista do investimento em políticas públicas. “O município tem aumentado cada vez mais suas obrigações e isso reflete na queda ou na desaceleração o crescimento. Passo Fundo passa a ser afetada de forma mais clara porque os indicadores estão demonstrando os efeitos da crise financeira, política e econômica que o Brasil está passando. Isso tudo reflete esse novo momento que a economia passa de não crescimento, de não desenvolvimento e de uma grande estagnação. A maior crise de toda a história do Brasil está tendo seus reflexos nos municípios e nas políticas públicas”, avalia.

 

Índices por área
Na educação, desde 2005 o município registra desenvolvimento moderado e demonstrou uma elevação em relação a 2015, passando de 0,7522 para 0,7754 em 2016.  No Estado, de acordo com o índice de educação, Passo Fundo aparece apenas na 328ª posição. No ranking nacional, ocupa o 2867º lugar. No Estado, mais de 55% dos municípios alcançaram alto desempenho na educação – que varia de 0,8 a 1,0. Na região Sul do Brasil, mais de 62% dos municípios obtiveram índice de alto desenvolvimento. Embora ainda não tenha alcançado um índice de alto desenvolvimento, Passo Fundo está numa crescente desde 2006, sendo este o maior índice já alcançado pelo município desde que a estatística começou a ser divulgado.


Na saúde, desde 2006 o município tem IFDM na faixa de alto desempenho. O maior foi o de 2016, que foi de 0,9034. No ranking estadual, o município aparece na 173º posição. No país, está em 664º lugar. Passo Fundo está entre os 37,5% dos municípios gaúchos que alcançaram índice acima de 0,9.  No Brasil, apenas 13% dos municípios alcançaram índices nessa faixa.


No emprego e renda o índice do município, que apresentou queda desde 2011, passando de naquele ano 0,8710 para 0,7337 em 2015, teve uma recuperação em 2016 e ficou em 0,7391. Neste quesito, Passo Fundo aparece na sétima posição no Estado e na 78ª posição nacional. Passo Fundo está no grupo de apenas 5,6% dos municípios gaúchos que alcançaram índice acima de 0,7. No Estado, a maior parte dos municípios apresentou desenvolvimento regular, ficando com índice entre 0,4 e 0,6.


Evolução anual
Na evolução anual, desde o ano de 2005, Passo Fundo teve sete índices de desempenho moderado, o último deles na avaliação anterior, quando o IFDM foi de 0,7941, relativo ao ano de 2015. O município também alcançou índice de alto desempenho em cinco anos analisados. O maior deles foi no ano de 2013, de 0,8316, com queda nos dois anos seguintes e uma pequena recuperação em 2016. Entre os anos de 2007 e 2013 o município apresentou um índice crescente, passando de 0,7561 em 2017 para 0,8316 em 2013, seguido de duas baixas.

 

Quesitos avaliados
Em cada uma das três áreas são avaliados diferentes itens:
Emprego e Renda - Geração de emprego formal; Taxa de formalização do mercado de trabalho; Geração de renda; Massa salarial real no mercado de trabalho formal; Índice de Gini de desigualdade de renda no trabalho formal. Os dados são fornecidos pelo Ministério do Trabalho e Emprego.


Educação - Atendimento à educação infantil; Abandono no ensino fundamental; Distorção idade-série no ensino fundamental; Docentes com ensino superior no ensino fundamental; Média de horas-aula diárias no ensino fundamental; Resultado do IDEB no ensino fundamental. A fonte é o Ministério da Educação.


Saúde - Proporção de atendimento adequado de pré-natal; Óbitos por causas mal definidas; Óbitos infantis por causas evitáveis; Internação sensível à atenção básica (ISAB). Os dados são do Ministério da Saúde.


O índice
O índice varia de 0 a 1, sendo que, quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento da localidade. Além disso, o índice não se restringe a uma fotografia anual, podendo ser comparado ao longo dos anos. Dessa forma, é possível determinar com precisão se a melhora ocorrida em determinado município decorre da adoção de políticas específicas ou se o resultado obtido é apenas reflexo da queda dos demais municípios.

 

Avaliação da Firjan
Conforme explicado no relatório, o IFDM Brasil voltou a subir em 2016, interrompendo uma série de duas quedas seguidas, e alcançou 0,6678 ponto no Brasil. A partir de 2014, o país mergulhou em uma forte recessão, o que fez com que os indicadores de mercado de trabalho acumulassem perdas recordes. Com isso, em 2015, o IFDM Brasil recuou ao menor nível desde 2011, refletindo, sobretudo, o desempenho negativo da vertente de Emprego & Renda, que anulou o progresso observado nas áreas de Educação e Saúde. Ou seja, a crise custou ao menos três anos ao desenvolvimento dos municípios que, em 2016, ficou abaixo do nível observado em 2013.


Na última avaliação, as três vertentes que compõem o IFDM apresentaram crescimento. Emprego & Renda atingiu 0,4664 ponto, voltando a crescer após duas quedas consecutivas, quando acumulou retração superior a 20%. Essa foi a área de desenvolvimento que mais sofreu com a recessão dos últimos anos. Tanto o IFDM Educação como o IFDM Saúde apresentaram crescimento, mantendo a trajetória observada desde o início da publicação do IFDM. No entanto, a evolução apresentada pelos dois indicadores foi a menor em 10 anos, indicando que a crise também teve impactos sociais, e não só econômicos.


O indicador de educação avançou apenas 0,6%, e alcançou 0,7689 ponto, enquanto o IFDM Saúde cresceu 1,6% e atingiu 0,7655 ponto. O crescimento de 2,6% no IFDM Geral em 2016 não foi suficiente para reverter as quedas dos dois últimos anos, período em que acumulou retração de 3,1%. Esse resultado revela o impacto da crise econômica sobre o desenvolvimento dos municípios. Nessa conjuntura, atingir a classificação de alto desenvolvimento mostrou ser um desafio ainda maior este ano: apenas 431 municípios do Brasil (7,9%) registraram esse nível6. Com isso, mais de dois terços dos municípios apresentaram desenvolvimento moderado (IFDM entre 0,6 e 0,8 ponto) – 68,4%, resultado influenciado também pela redução na quantidade de cidades com desenvolvimento regular (23,6%). Por fim, vale destacar que apenas 11 cidades ficaram com baixo desenvolvimento, menor resultado da série.

Diferenças regionais
A pesquisa ainda revela as enormes disparidades regionais que ainda existem no país. O Sul continua apresentando-se como a região mais desenvolvida, tendo em sua composição 98,8% dos municípios classificados com desenvolvimento moderado ou alto, nenhum município classificado em baixo desenvolvimento e apenas 1,2% dos municípios classificados com desenvolvimento regular. A Região Sudeste tem perfil semelhante, com 92,9% dos municípios classificados com desenvolvimento alto ou moderado e, assim como a Região Sul, nenhuma cidade com baixo desenvolvimento. O Centro-Oeste alcançou o padrão Sul-Sudeste, com 92,4% dos municípios com desenvolvimento moderado ou alto e nenhum município com baixo desenvolvimento. Por sua vez, as regiões Norte e Nordeste apresentaram, respectivamente, 60,2% e 50,1% dos seus munícipios classificados com desenvolvimento regular ou baixo e, juntas, respondem por 87,2% do total de municípios nessas classificações.


O Brasil continua sendo um país fortemente dividido, com extremos cada vez mais evidentes. O ranking dos 500 municípios mais desenvolvidos (Top 500) foi composto, essencialmente, por cidades das regiões Sudeste (50%) e Sul (41%). A maioria é de municípios de São Paulo (40%), Rio Grande do Sul (18%) e Paraná (12%). A Região Centro-Oeste ficou com 7% dos municípios. O Nordeste ocupou apenas oito posições entre os 500 maiores IFDMs do país – Ceará12 (7 municípios) e Piauí (1 município). Já na Região Norte, apenas a capital do Tocantins, Palmas, ficou entre os 500 maiores IFDMs.

Gostou? Compartilhe