Planalto

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Há que se registrar os cinquenta exitosos anos de existência da Rádio Planalto de Passo Fundo. E quero fazê-lo a partir de minhas vivências que, com certeza, assemelham-se a de tantos de minhas gerações.


Em 1970 vim morar em Passo Fundo, quando a Planalto tinha 11 meses de existência. Meu pai apegou-se à Rádio Passo Fundo em função do esporte. Era esse nosso mundo: Guaíba e Planalto. Em Porto tinha o pessoal do futebol, mais Sergio Jocymann e Flavio Alcaraz Gomes. Aqui tinha Meirelles, Elio e Jaime, Santarém. Minha liga com a jovem rádio foi a partir de José Ernani e seu inebriante A Grande Parada, lance legal, tal qual havia na rádio progresso de Ijuí (Os Campeões da Simpatia). Ernani não era apenas comunicador, era um estudioso-pesquisador e de alta sensibilidade, sabia como atingir os variados gostos musicais. De 1976 em diante passei a acompanhar, sempre que possível, a programação que tinha os aveludados Guaraci Teixeira e Oliveira Júnior (vozes de FM), Walter Mick, o suingue contaminador de Walter Filho. Oliveira Junior viria a ser meu colega de cursinho (Gama) e colega de faculdade e com ele aprendi a gostar das músicas orquestradas e da voz de Tony Benett. Nas manhãs da semana ouvi o lançamento de Another Day (McCartney) e My Sweet Lord (George); ouvi o lançamento do ABBA (I do, I do, I do, I do, I do), Only The Strong Survive (Billy Paul), além de Gloria Gaynor, tina Turner e Charles, Barry White... Em 1980 comecei a acompanhar a filosofia de comunicação de Paulo Augusto Farina (Recolhimento), em sua pétalas matinais. No começo dos anos 90 a Rádio seguiu a batuta de meu colega de republica e amigo pessoal Daltro Wesp, debates, política... e veio a era de Marco Mattos (outro amigo pessoal) e o despertar de Luis Carlos Carvalho. Na progressão e pela instalação dos programas esportivos vim a ter convivência com Ben-Hur e Ari Machado.


Tive um programa de informes médicos com Julio Rosa (Enquanto o Médico Não Vem) e atendendo ao convite de Edeson Scandolara comecei a frequentar o Debate 730 na companhia deste, Elmar Floss, Cesar Lopes (Meclo). Depois, vieram Osmar Teixeira, Claudio Della Méa, Tadeu Karczeski.


Houve um hiato de programação pela troca de direção e retomamos, após alguns anos, nas quartas, na companhia de Ari Machado, Marcos Susin e José Carlos Carles.


Minha homenagem à Rádio e sua direção faz-se pelo agradecimento aos incontáveis momentos de musicalidade e informação, pela qualidade de seu material humano, aqueles que fazem pulsar a comunidade fiel de ouvintes, A rádio nasceu inovadora, uma FM em uma AM, implantou uma programação de debates e informativos constantes que contrastavam com a famigerada execução permanente de programas musicais, alguns de péssimo gosto, aliás. É preciso se reinventar, a Planalto inovou e se renova, essa é a sua missão. Obrigado e parabéns.

Gostou? Compartilhe