Por surto de coronavírus, unidade da JBS em Passo Fundo é interditada

A empresa, que tem 10 dias para se manifestar sobre a decisão de interdição, não disse se irá recorrer

Escrito por
,
em
Foto: Arquivo/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A unidade frigorífica da empresa JBS, em Passo Fundo, foi interditada, na tarde desta sexta-feira (24), em decorrência do surto de coronavírus registrado entre os colaboradores.

A ação para a suspensão total das atividades industriais, segundo a procuradora do Ministério Público do Trabalho (MPT), Priscila Schvarcz, foi ajuizada ainda no sábado (18) e negada pela Justiça. Na quinta-feira (23), no entanto, um novo pedido de reconsideração da liminar foi encaminhado novamente para apreciação, e igualmente descartado. Uma perícia foi designada no mesmo dia para avaliar o quadro sanitário da empresa, apontada pelo governador, Eduardo Leite, e pela secretária estadual de Saúde, Arita Bergmann, como possível relação para o surto de diagnóstico de covid-19, no município.

De acordo com a denúncia apresentada pelo MPT, 19 trabalhadores testaram positivo para o coronavírus e outros 15 funcionários são suspeitos de terem sido contaminados, dois familiares desses mesmos colaboradores vieram a falecer em decorrência do contato indireto com a infecção e 78 industriários foram afastados com quadro de doença gripal. “Durante a paralisação dos serviços, em decorrência da interdição, os empregados devem receber os salários como se estivessem em efetivo exercício”, determina a ação deferida durante uma audiência com a Secretaria de Saúde do município, representações sindicais, peritos e procuradores do trabalho, na tarde de hoje.

Image title

Imagens foram apresentadas pelos procuradores como evidências, na petição inicial. Fotos: MPT


O que diz a JBS

Em nota, a JBS contesta o índice de infectados nas dependências da empresa, alegando que seriam quatro trabalhadores com confirmação da doença e outras 10 pessoas suspeitas. Além dos números, a indústria alimentícia afirma que as imagens apresentadas pela Procuradoria não são atuais visto que “a JBS tem adotado todas as medidas para garantir a máxima segurança e prevenção de cada um dos colaboradores das suas fábricas”. Em Passo Fundo, a empresa possui mais de mil funcionários atuando nos setores de produção alimentícia. 

Ainda por meio de nota, a empresa defendeu adotar protocolos detalhados e específicos para casos em que um colaborador teste positivo para Covid-19. Segundo a JBS, é prestado imediato atendimento com total apoio a ele e seus familiares até seu pronto restabelecimento. Nesse período, conforme orientam os órgãos de saúde, o colaborador estará afastado de suas atividades e com acompanhamento integral. Além disso, a empresa inclui como procedimento-padrão a total desinfecção e sanitização das áreas comuns e do local em que o profissional trabalha em caráter adicional”. “A proteção dos seus colaboradores tem sido o primeiro objetivo da JBS, desde o início da pandemia da Covid-19. Continuaremos pautados por esse princípio e confiamos em que as atividades em Passo Fundo serão retomadas brevemente”, finaliza o comunicado.

A desinfecção diária e periódica das instalações, medição de temperatura de todos os colaboradores antes de acessarem a unidade, afastamento de pessoas do grupo de risco, inclusão de novos EPIs como máscaras acrílicas, obrigatoriedade do uso de máscaras para todo o quadro de colaboradores, incluindo a área administrativa, medidas de distanciamento social e vacinação contra gripe H1N1 são algumas das medidas, conforme ponderou a empresa, adotadas em todas as unidades fabris da companhia.  

A empresa, que tem 10 dias para se manifestar sobre a decisão de interdição, não disse se irá recorrer.

Gostou? Compartilhe