Prefeitura encaminha solução para Escola

Estão previstas 230 novas vagas de Educação Infantil com a nova escola

Escrito por
,
em
O edital para a contratação de nova empresa deve ser publicado pelo Município nos próximos 30 dias

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em reunião nesta terça-feira (12), em Brasília, ficou mais próxima a solução do impasse envolvendo a Escola de Educação Infantil do Parque do Sol. Após receber autorização do governo federal para contratação de nova empresa para conclusão da obra, o prefeito Luciano Azevedo esteve no FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) para discutir detalhes do processo. O edital para a contratação de nova empresa deve ser publicado pelo Município nos próximos 30 dias. “A escola é muito importante pois atenderá crianças do Parque do Sol e de bairros próximos. Desde a paralisação da obra, temos trabalhado por uma solução junto ao governo federal”, enfatizou Luciano. 

 

O Município já concluiu a adaptação do projeto, refazendo o cronograma de obras e atualizando o orçamento. Conforme a secretária de Planejamento, Ana Paula Wickert, foi mantida a metodologia original de construção, que prevê estrutura de aço e placas cimentícias, o que torna a obra leve e mais rápida. Estão previstas 230 novas vagas de Educação Infantil com a nova escola. Acompanharam o prefeito na reunião o presidente da Câmara Municipal de Passo Fundo, Pedro Daneli, e secretários municipais. 

 

Entenda o caso
A obra faz parte do programa Pró-Infância, do governo federal, e é resultado de uma licitação nacional para construção de escolas em centenas de municípios. Poucas delas, porém, saíram do papel. Em Passo Fundo, a empresa contratada pelo governo federal foi a MVC, que deveria construir em torno de 300 escolas no sul do país. Alegando falta de recursos e solicitando aumento do valor do contrato, a empresa abandonou a maioria das obras. Na cidade, a obra está paralisada desde 2016. A MVC foi notificada pela Prefeitura diversas vezes e, a partir de ação do Município na Justiça, foi obrigada a concluir a obra, sob pena de multa diária. Mesmo assim, a obra não foi retomada, o que forçou a Prefeitura a buscar outra solução. Com a autorização do governo federal para contratação de nova empresa, o Município rescindiu contrato com a MVC (licitada pelo governo federal para executar a obra) e passou a trabalhar na adaptação do projeto. 

Gostou? Compartilhe