Qual é diferença entre a administração pública e administração privada?

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A diferença é que na administração de uma empresa o gestor precisa ter atenção ao que a lei proíbe, enquanto que na administração pública o gestor precisa ter atenção ao que a lei autoriza fazer. O silêncio da lei, para o administrador de uma empresa, o autoriza a agir, enquanto que o silêncio da lei, para o administrador público, o proíbe de agir.

 

São duas as razões que impõem à administração pública a condição de suas ações serem autorizadas por lei. A primeira reside no pressuposto de que o conteúdo da lei, por ser elaborado pela sociedade, através de seus representantes, no parlamento, reflete o “querer” do povo. A segunda situa-se na garantia de que o gestor público, atuando de acordo com a lei, não terá oportunidade para usar a estrutura governamental para proveito próprio ou para atender interesses privados.

 

É por isso que há controles sobre o agir do administrador público, a fim de detectar desvios de lei, colisões com regras e princípios ou desatendimento de normas. Esse controle é exercido por tribunais de contas, pelo Ministério Público, pelo Poder Legislativo e também pelo cidadão que, inclusive, está constitucionalmente autorizado a propor ação popular para discutir a caracterização de dano ao erário ou conduta de agente público que atente à moralidade administrativa.

 

Seria esse, então, o motivo de a administração pública ser mais lenta? A resposta pode ser “sim”, mas também pode ser “não”. Será “sim”, se considerarmos que a maior parte das leis que se relacionam com a administração pública são da década de 1990, com modelos de gestão absolutamente esgotados em sua prática e ineficientes em seus resultados. A resposta será “não”, se nos dermos conta de que a lei pode ser retrabalhada para absorver normas de gestão pública que favoreçam o alcance da eficiência.

 

O envelhecido arcabouço de leis que temos hoje não só coloca o gestor público diante de um imenso risco de ser responsabilizado pelo desatendimento de normas e de princípios, pois há muitas inconsistências, contradições, deficiências, lacunas e defasagens, como impõe lentidão ao serviço público, excesso de procedimento, retrabalho, além de produzir gargalos em setores estratégicos. Em paralelo, esse cenário agrava-se na medida em que esses modelos não valorizam o servidor público individualmente competente e não produzem inteligência coletiva, pois não reconhecem talentos e não recompensam posturas proativas e engajadas.

 

A notícia boa, no entanto, é que a Constituição Federal, desde 1998, com a Emenda Constitucional nº 19, está modificada, no capítulo da administração pública, para permitir o ingresso de modelos de gestão mais atualizados, que agreguem valor às pessoas e que reduzam caminhos para a produção de um resultado governamental mais efetivo e mais ágil para o cidadão.

 

Removido o obstáculo constitucional, a lei que trata da administração pública está apta a absorver técnicas modernas de gestão, espelhando, inclusive, boas práticas já vivenciadas na administração de empresas. O problema, portanto, não reside no fato de o administrador público realizar a gestão de governo nos termos autorizados em lei, mas é querer resultados novos e diferentes com as leis de sempre, ancoradas no século passado.

 

 

André Leandro Barbi de Souza
Advogado, Fundador e Sócio-Diretor do IGAM, Professor com Especialização em Direito Político e Autor

Gostou? Compartilhe