Queria

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Aqui em Higienópolis acabei de reler a biografia de Tarso de Castro (75 kg de Músculos e Fúria) e percebi que há muitos anos (1973-74) queria ser jornalista combativo tipo Tarso e Carlos Imperial, só que esse, inacreditavelmente, não bebia e não fumava. Tarso foi um furacão, queria que ele não tivesse morrido. Na verdade Tarso não morreu, Mucinho não deixou e nem a gente vai deixar. O jornalismo de Tarso não era para ser amado tal qual o estilo de seu amigo jornalista e compositor Nelson Motta. Tarso está aí através de seu filho João Vicente, conquistando corações e a gente vai no embalo que parece ser nostalgia mas, entendo como resgate, se não histórico, pelo menos de emoções que são importantes e eu vivi.


Há um espanto à cerca de informações de que os generais-presidentes teriam ordenado execuções de militantes comunistas-socialistas que desejavam instalar uma república de teor marxista semelhante às progressistas Cuba e Venezuela. Ora, no Araguaia e no Triângulo Mineiro dos anos 70 execuções ordenadas pelos dirigentes guerrilheiros-subversivos a seus pares estão amplamente documentadas em livros históricos sem teor ideológico. Fidel e Che usaram os mesmos expedientes que Maduro aplica atualmente. Qual é o espanto? Não há inocentes no poder. Sugiro mais leitura e menos elucubrações.


Há tantas coisas que a gente queria e não foi possível; queria ser cientista, jogador de futebol (do Santos e Botafogo dos anos 1960), queria ser goleiro como Gilmar (Santos), Castilhos (Flu), Manga (Botafogo); depois vieram outros craques que iluminaram meus sonhos como Alfredo Domingo Oberti que veio do Newell´s em 1972 para o Grêmio e que além de goleador tinha um indefectível pé esquerdo, assim com outro que queria ter sido como Tadeu Ricci. Depois o meu time teve tantos que queria ter sido. Hoje o time inteiro do Grêmio é admirado, aliás, Romildo é cultuado e pranteamos Fábio Koff, o comandante, que em cuja administração conhecemos o nirvana a ponto de atingirmos espaço entre os grandes do mundo. Um dia, em 1995, quis abraçá-lo no pátio do Olímpico mas, fiquei sem jeito. Abraço-o agora, também sem jeito, em agradecimento em nome de mais de seis milhões de gaúchos.


São Paulo é assim; sexta passearei na Galeria do Rock com meu filho, amanhã tem curso de atualização no Sírio-Libanês, show de Ozzy; domingo tem Corinthians e Palmeiras no Itaquera e teatro com Jô Soares. São Paulo tem tudo e uma impossibilidade: trabalhar e viver simultaneamente. Essas duas condições são absolutamente inviáveis. Ou se trabalha, que é o a maioria faz, ou se vive sem trabalhar, que é que os endinheirados, vagabundos, alternativos ou aposentados fazem.


Queria - música de Carlos Paraná, eternizada na melodiosa voz de Carlos José na década de 1960, ere cantada pela Dona Neca, minha mãe e de outros filhos mais talentosos que eu. Ela, nostálgica, dava permanentemente a impressão da perda de um grande amor. Minha velha era assim, olhar tipo farol baixo, romântica a o extremo e frágil ao ponto de ser tocada por qualquer traço de humanidade. Nós, os filhos, ainda não aprendemos a totalidade das lições diuturnas que ela deixou. Na música de Carlos Paraná, em dado momento, descreve o que me vem “queria que o tempo parasse e que nunca chegasse o dia de chorar”. E era isso, meu pai completaria 84 anos dia 06 de maio e a saudade dói demais. Nesse dia das mães queria te dar um beijo na face e deitar a cabeça no teu colo para ouvir as histórias dos filmes românticos que marcaram tua vida.

 

Te amo, para sempre, mãe.

Gostou? Compartilhe