Rat Pack Feminino

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Estreia nas duas redes de Passo Fundo "Oito Mulheres e um Segredo", que traz um ótimo elenco feminino - Cate Blanchett, Anne Hathaway, Helena Bonham-Carter - liderado por Sandra Bullock. O longa de Gary Ross é uma versão conduzida por mulheres de "Onze Homens e um Segredo", filme de 1960 que foi refilmado no começo dos anos 2000 com o mesmo título e com elenco encabeçado por George Clooney, Brad Pitt e Matt Damon (e que teve, por sua vez, duas continuações). O filme original surgiu a partir da afinidade do elenco, que tem Frank Sinatra, Dean Martin e Sammy Davis Jr., entre outros. Eles faziam parte do "Rat Pack", grupo de artistas e atores que apareceram juntos em filmes e em apresentações nos palcos durante aquela década, principalmente na primeira metade dos anos 1960. Mesmo conhecido por ser um grupo masculino, mulheres como Shirley MacLaine, Lauren Bacall e Judy Garland também frequentavam as apresentações do bando. Nos anos 60, a ligação entre Martin e Sinatra era a "cola" do grupo, assim como nos três filmes dos anos 2000, foi a amizade dentro e fora das telas entre Clooney, Pitt e Damon que ajudaram a trama a, de certa forma, reproduzir a química entre os amigos na vida real. O filme de Ross junta as mulheres em torno de Bullock sem esses ingredientes extra-produção, mas, convenhamos, o grupo de atrizes tem reputação suficiente para justificar o ingresso, ainda mais em uma trama de golpe - quem, afinal, não gosta das reviravoltas desse tipo de história? (a melhor de todas ainda é "Golpe de Mestre", de 1973)

***

TÚNEL DO TEMPO - HISTÓRIA DO CINEMA

Há quarenta anos os quadrinhos começaram a ganhar respeitabilidade quando a Warner apostou alto em uma adaptação de SUPERMAN para os cinemas. Aliás, apostou alto é pouco: pagou uma fortuna para Marlon Brando fazer uma pequena aparição no começo do filme e trouxe Gene Hackman para encarnar o vilão Lex Luthor, além de promover uma busca insana pelo desconhecido (o diretor Richard Donner não queria um rosto famoso no papel para facilitar a identificação com o personagem, e não com outros papéis famosos) que acabou sendo Christopher Reeve. Com a frase promocional "Você vai acreditar que o homem pode voar" o filme foi a maior bilheteria do ano e mostrou que, mesmo com o bom humor de vários arcos no roteiro, os heróis podiam ganhar um tratamento sério no cinema. O filme teve uma boa continuação e outras duas patéticas, com cada vez menos orçamento, mas permanece clássico: a primeira aparição do Super-homem salvando Lois Lane da queda de um prédio e segurando com outra mão um helicóptero se tornou uma espécie de be-a-bá para filmes que vieram depois (O Spiderman de Sam Raimi, filmado em 2002, segue a receita do início ao fim). Demoraria mais de uma década para surgir um novo filme de herói com a mesma recepção e tratamento, o Batman, de Tim Burton, lançado em 1989, que finalmente iniciaria a série de boas adaptações que estourariam de vez nos anos 2000 até virarem a febre de hoje. 

O pai de todos esses filmes, no entanto, ainda é o quarentão Superman de 1978...

***

Se liguem fãs de blockbusters: "JURASSIC WORLD - Reino Ameaçado" tem estreia prometida, pelo menos na rede Arcoplex, na próxima quinta-feira (versão 3D e dublado).

Gostou? Compartilhe