Segunda etapa da pesquisa sobre coronavírus ocorre neste final de semana em Passo Fundo

Na cidade, 500 pessoas de diversos bairros serão entrevistadas

Escrito por
,
em
Foto: Divulgação/UPF

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A segunda fase do estudo populacional sobre a pandemia da Covid-19, que está sendo conduzido pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), será realizada neste final de semana em nove regiões do Rio Grande do Sul, incluindo Passo Fundo. Na cidade, a coleta de dados está sob a coordenação dos pesquisadores da Universidade de Passo Fundo (UPF), Universidade Federal da Fronteira Sul (Uffs) e Faculdade Meridional (Imed). O objetivo do estudo intitulado EPICOVID19 é estimar o percentual de gaúchos com anticorpos para o vírus SARS-coV-2, determinar o percentual de infecções assintomáticas ou subclínicas, avaliar a velocidade de expansão da infecção ao longo do tempo e obter cálculos precisos da letalidade do vírus.

Assim como na primeira etapa do estudo, 500 pessoas serão testadas, seguindo metodologia específica para sorteio e seleção. O professor da UPF, Dr. Kauê Collares, é um dos responsáveis pelo recrutamento de pesquisadores voluntários para o desenvolvimento do estudo, juntamente com os professores Dr. Jeovany Martínez-Mesa (Imed), Dra. Shana Ginar da Silva (Uffs).

Conforme o professor da UPF, Dr. Kauê Collares, a colaboração das pessoas que forem sorteadas para o teste será fundamental para garantir a realização deste nova etapa. "Agradecemos muito as pessoas que se dispuseram a colaborar na primeira etapa e pedimos que as pessoas continuem colaborando, recebendo os pesquisadores e se dispondo a realizar o teste que é simples. Essa pesquisa na ajuda a compreender com maior clareza esse momento de pandemia e também possibilita que as autoridades de saúde possam traçar estratégias melhores para o seu controle", enfatiza. 

Primeira etapa

Dos 4189 testes validados pelos pesquisadores, dois testes confirmaram positivo, cerca de 0,05% da população gaúcha deve ter sido contaminada. Os dados revelam que há no Rio Grande do Sul um infectado para cada dois mil habitantes. A estimativa é que existam 5650 pessoas com anticorpos no estado. De acordo com o relatório, para cada um milhão de habitantes no Rio Grande do Sul, estima-se 500 infectados, 65 notificações e 1,2 mortos. Além disso, para cada caso notificado nas cidades pesquisadas, existem em torno de quatro casos não notificados. A pesquisa também verificou que 20,6% das pessoas seguem saindo de casa diariamente, 21,1% das pessoas estão em casa o tempo todo e 58,3% estão saindo apenas para atividades essenciais como ir ao supermercado e farmácia. Entre os idosos de 60 anos ou mais, 35,9% relataram ficar em casa o tempo todo.

Metodologia

As testagens da primeira etapa do estudo ocorreram entre os dias 11 e 13 de abril em nove cidades do estado, Porto Alegre, Canoas, Pelotas, Caxias do Sul, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Passo Fundo, Ijuí e Uruguaiana. A população das cidades pesquisadas equivale a 31% da população gaúcha. Pesquisadores foram até as casas sorteadas e coletaram uma gota de sangue de um dos moradores para realizar o teste. Foram aplicados 4189 testes acompanhados de um questionário.

As próximas fases ocorrerão entre os dias 9 e 11 de maio e entre os dias 23 e 25 de maio. Serão testadas 4500 pessoas em cada fase da pesquisa.
Além das IES de Passo Fundo, também são parceiras do projeto a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, a Universidade de Santa Maria, a Universidade Federal do Pampa, a Universidade Federal do Rio Grane do Sul, a Universidade do Vale dos Sinos, a Universidade de Caxias do Sul, a Universidade de Santa Cruz do Sul e a Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

O estudo tem apoio do Ministério da Saúde, da UNIMED de Porto Alegre, do Instituto Floresta e do Instituto Serrapilheira.

Gostou? Compartilhe