Acidente em bar gera indenização

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um bar de Passo Fundo foi condenado a indenizar uma cliente que caiu ao ir ao banheiro e teve sérias lesões no tornozelo. A 10ª Câmara Cível do TJRS reconheceu o defeito na prestação dos serviços, em razão de construção de degrau de forma inadequada no banheiro feminino. A consumidora, que teve o tornozelo quedrado, pediu indenização de R$ 80 mil por danos morais, mas o Tribunal de Justiça concedeu indenização de R$ 7 mil por danos morais, mais R$ 333,00 por danos materiais. A defesa do bar é de que a cliente havia ingerido bebiba alcoólica em excesso e ingressou no banheiro de forma desatenta, conversando com amigas. O TJ-RS, no entanto, considerou a culpa do estabelecimento comercial, afirmando que as provas do processo “demonstram o descaso com o consumidor ao sequer sinalizar um degrau, na entrada de um banheiro de um bar noturno”. A responsabilização do bar decorre do entendimento do Código de Defesa do Consumidor de que o fornecedor de produtos ou serviços responde pelos danos causados ao consumidor. No caso do bar, a culpa ficou determinada pela falta de sinalização no local do acidente e porque o degrau de acesso ao banheiro apresentava defeito que podia provocar acidentes, como de fato produziu.

 

Compras virtuais e os sites de intermediação
O Tribunal de Justiça gaúcho confirmou a condenação de site de intermediação de pagamentos pelo prejuízo de consumidora que não recebeu um telefone celular no prazo estabelecido no contrato de compra. A PayU Brasil Intermediação de Negócios (antiga BCash), segundo o judiciário, em atenção ao Código de Defesa do Consumidor, tem corresponsabilidade pelo atraso e responde pelos danos causados à consumidora. O valor da indenização é de R$ 5,5 mil, referente à multa aplicada pelo Procon. Segundo o CDC aplica-se multa quando o fornecedor ou empresa integrante do círculo de venda do produto (site de intermediação, importador, vendedor direto) recusar, sem motivo justificado, atendimento à demanda dos consumidores; impedir, dificultar ou negar a devolução de valores pagos; e impedir, dificultar ou negar a desistência contratual. O posicionamento do TJ-RS é de que os sites de intermediação de vendas são responsáveis solidários pelos danos causados ao consumidor pela loja virtual que oferece produtos nessas plataformas. Assim, o site mediador de pagamentos é parte da cadeia de fornecimento de produto/serviço, e falhou ao não restituir de imediato o valor pago à compradora.

 

Glúten em produtos e o defeito da informação
Um consumidor gaúcho receberá indenização de R$ 8 mil da empresa Fito Grãos Produtos Naturais Ltda-ME por não informar de maneira adequada sobre presença de glúten no produto. A decisão foi confirmada pela 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. O consumidor, no caso, é portador de doença celíaca e passou mal após ingerir a granola adquirida num estabelecimento comercial de Porto Alegre. Na embalagem do pacote de 280gr de granola constava a informação "SEM GLÚTEN, SEM LACTOSE". Contudo, após ingerir o produto, o consumidor apresentou sintomas de fadiga, dores abdominais e diarreia. Depois do incidente, o consumidor analisou melhor a embalagem do produto e encontrou a advertência em letras minúsculas de que "pode conter traços de glúten". A justiça entendeu que a advertência, nesses casos, deve ser feita com destaque, em razão dos riscos à saúde e à vida das pessoas. A Lei do Glúten (Lei nº 10.674/2003) obriga que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença do glúten, como medida preventiva e de controle da doença. Esse alerta deve ser correto, claro, preciso e ostensivo.

 

Recall 2019
- A Porsche Brasil está convocando os proprietários da marca Cayenne, modelo 2018, a se dirigirem às concessionárias e postos de vendas do produto. A empresa detectou defeito no cinto de segurança.

- A Wolkswagem anunciou recall da Saveiro, modelos de 2014 a 2018. Foi identificado um defeito no freio traseiro. O recall é gratuito, basta que os proprietários do veículo entrem em contato com a fabricante ou concessionárias para agendar a reparação.

Gostou? Compartilhe