Grupo “Todos pela Saúde” já produziu mais de mil protetores faciais

Voluntários contam com o apoio da UPF e de doações da comunidade para atender demanda de hospitais e secretarias de saúde da região

Escrito por
,
em
Foto: Divulgação/UPF

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A solidariedade é a principal motivação de voluntários que integram o grupo “Todos pela Saúde” de Passo Fundo. Desde o início do enfrentamento ao coronavírus, os integrantes produziram mais de mil Face Shields, protetores faciais transparentes, que estão sendo doados para hospitais e secretarias de saúde de toda a região. O objetivo é de contribuir para segurança dos profissionais da saúde que trabalham na linha de frente durante a pandemia da Covid-19.

O grupo conta com o apoio da Universidade de Passo Fundo (UPF), por meio do Núcleo de Fabricação Mecânica e da Rede de Inovação Conecta UPF. De acordo com o voluntário, engenheiro mecânico e proprietário da Tudo3d Prototipagem, Jean Carlos Ferron, diversas cidades já receberam os materiais. “Estamos com 1.100 protetores faciais produzidos e já foram entregues em torno de 600 protetores. Os materiais foram doados para Passo Fundo, onde todos os hospitais que atendem pelo Sus e a secretaria de saúde receberam. Além disso, as cidades de Não-Me-Toque, Palmeiras das Missões, Alecrim, Pontão, Centenário, Chapada, Marau, Muitos Capões, Lajeado, Estação, Serafina Correia e Braga, também receberam ou estão com remessas para ser entregues”, contou.

Cerca de 30 voluntários integram o grupo, atuando nas áreas de impressão 3d, logística e comunicação. Mesmo tendo produzido uma grande quantidade de protetores, são muitas as solicitações de doações. “Já atendemos diversas cidades, mas ainda temos uma demanda bem grande a serem feitos, hoje chega em torno de 1.700 protetores a serem produzidos. Já tivemos doações da BSBios com algumas chapas, a UPF conseguiu por fornecedores doações também, mas ainda estamos precisamos de doações da comunidade e das empresas interessadas em ajudar nessa causa”, destacou o voluntário.


Gostou? Compartilhe