Só a força não resolve

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A correlação de força entre trabalho e capital deixou a legião de subordinados do Brasil muito fragilizados. O pensamento reacionário a qualquer medida de socorro à grande maioria do povo que sofre perdas materiais, como desemprego, firmou-se como marco doloroso na relação de cidadania. No cotejo de ações de repressão à violência o objeto visado é o morador da favela. O candidato Bolsonaro vem apresentando posicionamento estratégico simplista, longe de qualquer ênfase de alcance socializante. Seria uso da força como estratégia de guerra em campo minado. Tudo a ser resolvido na bala, perdida ou não! A implantação do medo, empurrando a população pobre, inclusive a grande maioria trabalhadora, para arrabaldes, até seus confins. Nenhuma palavra do contexto de cooperação e socorro com serviços de saneamento, escolas, saúde e necessidades básicas. Mesmo que o estado continue arrecadando muito. Nenhuma ideia concreta de cunho redistributivo. Tem-se a impressão de que a presença estatal completa consiste em sumários fuzilamentos de criminosos, ou supostos infratores. Fanático da ditadura recentemente superada no país, Bolsonaro arranca aplausos de uma elite delirante que generaliza a culpa pela turbulência social. O lado pobre como única mazela da violência. Antes do necessário diagnóstico de tantos problemas, antecipa julgamento sumário. É lógico que o contingente policialesco deve ser forte para combater o crime. A proposta de eliminação das causas de tantas diferenças dos meios de vida, esta não veio.

 

Quixotesco
A orquestração gestual alinha proposta de marketing que oscila entre o surreal e o quixotesco, como solução heroica. As manifestações machistas atrabiliárias e discriminatórias encontram a expectativa fechada de elites que querem proteger a própria situação de conforto. O ódio emergente acentua diferenças de poder. Maior gravidade é a ideia fixa em instrumentos de perseguição e tortura admitidos reiteradamente. O despautério fomenta a iniquidade no poder. É o perigo do ressurgimento de ódios ainda não cicatrizados que atentam contra a liberdade individual. O alvedrio repressor é perigoso embora sedutor a expressivo número de eleitores.

 

Fome do ouro
A Operação Lava Jato, felizmente, prossegue hirta buscando investigar focos endêmicos do crime organizado. A busca de punição para responsáveis pelo desvio do dinheiro público não pode parar. A avidez pelo dinheiro do crime, segundo observadores da psiquiatria, tem evidenciado sintomas de psicopatia em usurpadores do tesouro nacional. Vale relembrar o lamento milenar de Virgílio: “quid non mortalia perctora cogis, auri sacra fames” (a que não constranges os corações humanos, ó maldita fome de ouro!).

 

Ciro
Exceto as propostas esdrúxulas do candidato que lidera pesquisas, é de se admitir que as candidaturas presidenciáveis representem expectativa média do Brasil. A ministra Carmen Lúcia salientou que temos chão, sol, água e as pessoas para agir e recuperar muito. Não podemos dispensar a esperança. Ciro Gomes apresenta-se com experiência e conhecimento vitais. Seu palavreado disfêmico não deve chocar a opinião no afã de afastar a hipocrisia. Revela potencial de coragem para a reação aguardada.

 

São Vitor
O terror da escravidão estampa marcas históricas em todos os setores. São Francisco de Paula Vitor foi padre brasileiro, negro, nascido em 1827 que faleceu em 1905. O Papa Francisco reconheceu sua luta heroica em defesa da igualdade. Ele próprio foi discriminado por uma sociedade clerical que retardou sua ordenação. Lutou bravamente, até o fim de sua vida pela liberdade e proteção dos humildes. Morreu pobre cumprindo missão cristã.

 

Confraternizar
O Festival Internacional de Folclore de Passo Fundo materializa a iniciativa da ONU, após a guerra. É intenção de confraternizar e valorizar diferenças, na convergência humana dos povos. Ao incorporar essa índole de paz foi destacado mundialmente. A cidade é referência inclusiva. Ótimo!

 

Aperto
O preço do leite subiu 38% neste ano. O gás de cozinha disparou.
Processos
Dados da Justiça do Trabalho indicam queda de reclamatórias nos últimos sete meses em quase 40%. O desemprego não caiu.

Gostou? Compartilhe