Teclando

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Era do Plástico

O plástico foi revolucionário. É um versátil material sintético que ganhou espaços em quase todas as atividades da humanidade. Substituiu a cerâmica, a baquelite, alguns metais e muitos materiais de origem orgânica. Houve época em que objetos confeccionados em matéria plástica eram considerados o máximo. Tomaram conta das prateleiras dos brinquedos, substituindo os caminhões de madeira e as bonecas de pano. Ou seja, deixamos de lado objetos confeccionados artesanalmente para brincar com novos e, então, ainda desconhecidos materiais. O sonho das crianças passou a ser moldado em plástico. E o dos adultos também. Baldes, vasos, potes, copos, pratos, cadeiras e outros utensílios passaram a ser de plástico. Era o que havia de mais moderno. Mas, cá entre nós, muitos desses objetos eram de um carregado péssimo gosto, como aquelas primeiras flores artificiais. As infindáveis variações em suas fórmulas permitiram o desenvolvimento de plásticos para todos os usos. Tomou conta das tubulações na construção, substituiu a palha dos garrafões de vinho, virou chapéu e até calçado, onde se destacam as sandálias femininas ainda em moda. Da tinta plástica ao documento plastificado, estamos envoltos em plásticos.

O plástico já era?

A versatilidade nas aplicações e o baixo custo justificam a utilização do plástico. Por outro lado, grande parte dos materiais confeccionados em plástico transformou-se em um risco para o planeta. O problema não está no uso, mas, sim, no descarte. Sequer necessitamos ir ao alto mar para constatar a presença nociva dos resíduos plásticos. Basta dar uma espiada no Rio Passo Fundo ali na ponte da Avenida Brasil. Plástico é o que não falta. Diante de uma iminência catastrófica, surgem restrições ao uso de sacolas não biodegradáveis e outros artefatos plásticos. Em alguns países da Europa iniciam as proibições à venda de copos e talheres descartáveis. No Brasil o canudinho é a bola da vez. Sim, aquele canudinho que é oferecido para beber sucos ou refrigerantes. No Rio de Janeiro está em vigor uma lei que obriga os estabelecimentos comerciais a utilizar canudos de papel biodegradáveis. Mas, para quem tem memória, a solução é bem mais simples. Muito antes de o canudinho plástico aportar por aqui, nós já utilizávamos os maravilhosos canudos de trigo. Sim, uma singela haste do trigo que vinha envelopada em papel. Natural, biodegradável e de produção local.

Nabo ou chicória?

É sempre agradável encontrar pessoas de bem com a vida. Uma dessas é a Renata, que atua no setor de hortifrúti do Borubon de Passo Fundo. Enquanto pesa os produtos, interage com as pessoas e está sempre com muito bom humor. Escutei quando ela falou para uma cliente sobre os nomes que escolheria para um futuro bebê. Se for menino será Nabo e se for menina Chicória, disse sorrindo. E arrematou dizendo que “aqui é tudo pela hortifrúti”. Então perguntei se era uma paixão pelo setor. Sorridente, Renata responde na hora: “aqui estamos sempre focadas no trabalho”. Focadas, simpáticas e atenciosas. Isso é ótimo. Os clientes agradecem.

Trilha sonora
Do querido amigo Ivo Sousa (ao microfone o impecável Oliveira Júnior) recebi a dica sobre a Rádio Relax da Ucrânia. Foi onde ouvi a trilha do compositor e maestro Vladimir Cosma – Les Compères
Use o link ou clique o QR code
https://bit.ly/2OM5MDM

Gostou? Compartilhe