Teclando

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As cartinhas

Sou de um tempo em que as pessoas trocavam correspondências por carta ou telegramas. Quem não tinha muito que fazer, mandava uma cartinha para a rádio. Muitas reclamações não eram lidas, porque a censura daquela época era explícita. Diante do microfone éramos reféns sob a ameaça de lacrarem nossos transmissores. As cartinhas formaram um elo das pessoas com o mundo externo. Dores, amores, desilusões, desabafos e declarações ganhavam alívio pelas ondas do rádio. Os presidiários escreviam muito para as emissoras, ofereciam músicas aos familiares e contavam sobre seu sofrimento. Hoje as pessoas não enviam mais aquelas cartinhas. Agora estão nas redes sociais para desabafar e extravasar. Porém, alguns se dedicam ao exercício de um pseudopoder de censura. Basta publicar algo que provoque coceiras nas suas recalcadas memórias que eles entram em cena. Mas é muito fácil identificar um comentário desses neocensores: na maioria dos casos começam rotulando os autores dos textos como isso ou aquilo. E tudo no mais explícito tom autoritário. Sentem-se como os guardiões da verdade ou representantes de imaginárias leis. Não propõem debates (já estaria fora de moda?). Agridem com reprimendas. Sinais dos tempos. Hoje convivemos com a inovação constante da tecnologia. A comunicação é bem mais ágil e acessível. Mas nem todos estão preparados para o exercício da informação. As cartinhas já não são mais de papel. E a censura agora é implícita. 

Pastel de feira
Em uma saudável caminhada pelos longos caminhos da Avenida Brasil, encontramos de tudo um pouco. Mas sempre tem algo que chama a atenção. É o caso do pastel de feira. Passei por muitos locais anunciando pastel de feira. Ora, sempre pensei que pastel de feira a gente encontrava apenas em feiras. Então fiz um pingue-pongue individual e sem raquete. Onde temos feiras? Será que a feira virou uma franquia? Sem respostas na hora, prossegui caminhando e me perguntando qual era o pastel? Pesquisando pelo Google, é claro, descobri que o badalado pastel teve origem nas feiras paulistanas. Lá pelos anos 1950, os feirantes japoneses adaptaram uma receita chinesa com a farinha de trigo portuguesa e acrescentaram a cachaça brasileira. Foi um sucesso e estão vendendo pastel até para ingleses. Então, ao que parece, o pastel de feira virou uma instituição gastronômica. Mas aqui por essas bandas meridionais, também temos nossos próprios pastéis. O mais conhecido de todos é o famoso pastel de rodoviária, cujas consequências são sempre imprevisíveis. Temos o pastel de vento, praticamente sem recheio, e o pastel premiado, aquele em que encontramos uma azeitona. Mas do lado doce da culinária portuguesa herdamos maravilhosas iguarias: o pastel de Belém e o pastel de Santa Clara. Enfim, sempre é bom saber qual é o pastel!

Se lixando para o lixo
Anda de mal a pior a relação das pessoas com o destino dado aos resíduos. No centro, continuam entupindo os contêineres com placas de isopor e outras embalagens. Poucos separam o lixo orgânico do reciclável. O pior é que misturam tudo na hora de depositar. Quem age sim é, de fato, um lixo!
 
Encostando o pé no balde
- Na próxima sexta-feira os supermercados estarão fechados.
- Algumas lojas insistem em utilizar alto-falantes a todo volume.
- As calçadas estão sortidas: balcões, ambulantes, roupas e até colchões.
- O aumento da truculência é proporcional à persistência da ignorância.
 
Trilha sonora
Os noruegueses Erlend Øye e Eirik Glambek Bøe formam o duo Kings Of Convenience, que faz uma música pop moderna e influenciada pela brasileiríssima bossa nova – Misread
Use o link ou clique:
https://bit.ly/1fMZtLU
 

 

 

Gostou? Compartilhe