Teclando

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A eleição de 1989

Há 30 anos, em 15 de novembro de 1989, o Brasil se reencontrou nas urnas. Para mim foi inesquecível. Indissociável da democracia, o direito de escolher o presidente estava de volta depois de 29 anos. Falo em eleição direta, obviamente. Durante a ditadura, pós-golpe de 1964, também não era permitida a escolha de governadores, prefeitos das capitais e de cidades rotuladas como de segurança nacional. Na última eleição presidencial, em 1960, o populismo trouxe Jânio e a sua vassourinha, que logo foram varridos pelas ‘forças ocultas’. Somente em 1989 houve eleições diretas para presidente. O país havia saído de um bipartidarismo imposto goela abaixo. Foi então que o Brasil começou mostrar a sua cara. Surgiram candidatos para todos os gostos. Uma prateleira que tinha opções de um extremo ao outro. Alguns já eram bem conhecidos. É o caso de Brizola que teria sido candidato no pleito que não houve em 1965. Mas também não faltaram novidades. E foi Collor, uma dessas novidades, o eleito com descarado impulso da grande mídia. Novamente triunfou o populismo, desta vez travestido de ‘caçador de marajás’. Ah, naquela época houve grandes debates. Discussões de propostas onde os mais preparados brilharam. Uns fugiram e outros sucumbiram. A audiência foi ampliada através de um pool das redes de televisão.

No primeiro turno Collor não compareceu na maioria. No segundo, já com os candidatos Collor e Lula em pé, o que não era o habitual, o mais alto levou a melhor. E logo o populismo circulou de jet-ski pelo Lago Paranoá. O resultado teve grandes disparidades regionais. A votação nacional foi uma. A dos gaúchos foi outra. No Rio Grande do Sul, Brizola fez mais de 60% dos votos. Aliás, só não venceu em Aratiba, único município onde Lula foi o primeiro. Dos 23 candidatos, acredito que no mínimo uns dez passaram em campanha por Passo Fundo. O comício de Brizola na Gare foi o maior da história, pois quando acabou ainda tinha gente tentando chegar ao local. E Brizola também teve magnitude no resultado, pois ultrapassou 64% dos votos dos passo-fundenses. Mas, independente de nomes e resultados, foi aos 33 anos de idade que vivi a minha primeira eleição presidencial. Debates, comícios e pela primeira vez na vida pude votar para presidente. Foi emocionante. Enfim, os caminhos democráticos permitiam o contraditório e respirávamos civilidade. Espero que nunca mais esse ciclo democrático sofra alguma interrupção. Tomara que as novas gerações jamais testemunhem um hiato na democracia.


Bandas e Batatas
A festa dos 10 anos do Batatas foi sensacional. A turma saiu do Menor Palco do Mundo© para receber 10 bandas na excelente acústica do Pub 540. Assim tive a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre as bandas nossas de todos os dias. Para minha alegria, a base do repertório é das antigas. Mas a galerinha não é fraca. Sem nomes para evitar esquecimentos, aplaudi instrumentistas e vocalistas de alto nível. Temos talentos de sobra tocando nos porões, garagens e palcos de Passo Fundo. O encontro do Batatas acena para a proposta de um festival de música por aqui. A arte merece aplausos e espaço.

Mesa Um
Na semana passada teve reunião ordinária da Mesa Um do Bar Oásis. Desta vez o paraninfo foi Evandro Zambonato, que recebeu os confrades na aprazível Vivenda das Palmeiras. Com a turma do Sipriani na churrasqueira e Dênis Pimentinha na copa, o encontro foi um sucesso.

Golpe
Fiquem atentos. Continuam aplicando o golpe do cartão de crédito em pleno centro de Passo Fundo.


Trilha sonora
Um trio italiano que há mais de meio século se mantém em alta. Ricchi s Poveri – Cosa Sei
Use o link: https://bit.ly/33D9vL8

 

 

Gostou? Compartilhe