Tendência é vitória de Bolsonaro

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As pesquisas indicavam a possibilidade de segundo turno nas eleições presidenciais confirmando a vantagem do candidato Bolsonaro sobre Haddad, o segundo colocado. Na verdade, o otimismo entre os seguidores do PSL fez crescer a expectativa de retumbante vitória no primeiro turno, enquanto despencavam os índices de candidatos de centro. A desatenção dessa euforia da extrema direita desconsiderou o desempenho forte do candidato do PDT, Ciro Gomes, em terceiro lugar. Restou, então, alguma frustração dos que acreditavam na vitória estrondosa que chegou a assombrar até a candidatura de Haddad. Por outro lado, a vantagem nítida, acima dos 40% dos votos válidos, apresenta-se como dificuldade de difícil superação para a decisão final do concorrente do PT. Sem dúvida, aparece como menos provável a reação de Haddad, que seria uma virada nas tendências. Impossível não é. Antes, improvável. Algumas circunstâncias podem oscilar entre o ponderável e imponderável. Então, é o segundo turno que vale como resultado das urnas. Sobre o ensejo estão esperanças de ambos os candidatos. A face do ódio esdrúxulo pode danificar qualquer dos lados.


Recuos
O marco histórico dos 30 anos da Constituição Federal e a informação sobre a crença popular no pacto de 1988 despertou os finalistas do pleito presidencial. Bolsonaro desautorizou a fala de seu vice que sugeria exacerbada medida em tonalidade golpista de alteração na carta magna. Haddad reconsiderou a ideia de alteração e esclareceu que José Dirceu (o infeliz) nem participa do núcleo de decisões de sua campanha, sendo dispensada sua opinião. As afirmações convergem para o estado democrático de direito. 

 

Vai pegar fogo
Reservadas as vantagens de colocação na arrancada ao primeiro colocado, o segundo turno cria uma vizinhança inédita de rotas na disputa. Diante de tanto combustível que anima o certame estabeleceu-se a divisão por uma parede muito próxima. Haverá fogo e vento veloz no andar das duas trilhas. O ódio mostra labaredas. A propósito, a expressão de Horácio alerta: “cuida das tuas coisas quando a parede do teu vizinho estiver pegando fogo” (“tua res agitur, parius cum próximus ardet”). Desncessário dizer que as coisas de cada um são as propostas. O fogo pode ter dois sentidos: a reação do povo contra determinada postura, ou o avanço alucinante do vizinho de disputa com proposta de aceitação inflamando o eleitorado. É fogo!

 

Ódio antigo

As graves manifestações conceituais contra o povo nordestino têm origem na catástrofe histórica da escravidão. A retórica socialmente trágica é estratégia comum de violação contra a fraternidade que descamba na discriminação. É deplorável sob qualquer pretexto, inclusive eleiçoeiro. Nordestino é povo valente e digno. Não merece o desprezo geográfico acintoso que vem ocorrendo. Além de tudo é provocação perigosa para o interesse eleitoral de quem a pratica delitos neste sentido.

 

Evolução
O conjunto de fatos acelera a necessidade de consciência democrática no fluxo das votações. Esse sentimento é evolução. Haddad insiste no tema e até Bolsonaro fala em democracia. Isso é bom!

 

Apelo fraco
Esperava-se um apelo mais forte do candidato que sofreu atentado a faca, em relação aos posicionamentos de violência. No seu caso teve unânime solidariedade humana dos demais candidatos que repudiaram a violência e até suspenderam a campanha. No caso do assassinato do mestre de capoeira Ronaldo da Costa, 63 anos, atacado (12 golpes de faca) por adepto de Bolsonaro, ao defender Haddad - o repúdio deveria ser também completo. Bolsonaro diz que não pode controlar seus seguidores. Usa meia força para reprimir, o que sabe por experiência ser muito grave.

 

Crepúsculos
Haddad busca ampliar o espectro participativo da campanha. O nome de Lula já lhe deu impulso eleitoral e agora se lança com seu próprio nome, desfazendo-se de incômodos. Bolsonaro ganha aliados para o segundo turno em São Paulo e no RS. Suspeitas contra seu guru Paulo Guedes pode ser fogo ou espinho, crepúsculos que vêm e que podem passar.

Gostou? Compartilhe