tj confirma decisão no caso das larvas no chocolate

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou a sentença de primeiro grau que havia condenado a empresa Mondelez do Brasil Ltda a pagar indenização por danos morais a duas consumidoras que comeram um chocolate com larvas. O fato aconteceu no Município de Casca e envolveu um chocolate da marca Lacta. Havia larvas vivas dentro do chocolate. Em razão disso, a empresa foi condenada a indenizar em R$ 5 mil os danos morais sofridos por cada uma das consumidoras. Na sua decisão, o relator do acórdão, Desembargador Jorge Luiz Lopes do Canto destacou um julgamento do Superior Tribunal de Justiça, em que ficou “reconhecido que a aquisição de produto de gênero alimentício, contendo em seu interior corpo estranho, ainda que não ocorra a ingestão, dá direito à compensação por dano moral”. Conforme o Código de Defesa do Consumidor, o fornecedor é responsável de forma objetiva pelos danos que o produto causar.


De olho nos materiais escolares

Nesse mês de outubro e ao longo do mês de novembro, muitas escolas particulares começarão a entregar aos pais a lista de materiais escolares para o próximo ano letivo. É importante que o consumidor fique atento e fiscalize o uso do material. Uma dica é exigir do estabelecimento de ensino o Plano Pedagógico de 2019 para confirmar a necessidade de cada material e o período de uso dos mesmos, podendo entregar de forma parcelada os materiais. No ensino infantil, a regra é a entrega de todo o material num único momento. Reaproveitar o material que sobra deste ano é uma boa maneira de economizar recursos. Com a lista em mãos o melhor caminho é pesquisar em livrarias e papelarias e, se possível, se reunir com mais famílias, formando grupos de consumidores para negociar preços melhores.

 

Materiais obrigatórios

A lei que regulamenta os direitos em relação aos materiais escolares é a 12.886. A lei desobriga de comprarem material de uso coletivo, sendo que o responsável pelo fornecimento desses materiais é o próprio estabelecimento de ensino, tendo em vista que o custo desses produtos já está embutido no valor da mensalidade. Na lista de material de uso coletivo destacam-se, entre outros, o papel ofício em grandes quantidades, papel higiênico, álcool, flanela, produtos de limpeza e escritório, fita adesiva, cartolina em grande quantidade, grampeador e grampos, papel para impressora, talheres e copos descartáveis, esponja para louça, pastas, plástico para pastas classificadoras, giz, pincel atômico, cartuchos de impressão, apagadores e até medicamentos. Esses materiais, portanto, são de responsabilidade da escola e não dos pais.

 

Onde reclamar?
O Consumidor que sofrer lesões aos seus direitos poderá reclamar no Procon, que é o órgão público encarregado da fiscalização dos direitos do consumidor. Em Passo Fundo, o Procon está localizado na Av. Brasil, 758, fone (54) 3584-1155. Outra instituição que defende os consumidores em Passo Fundo é o Balcão do Consumidor, que faz parte de um projeto importante da Faculdade de Direito da UPF, que funciona também na Av. Brasil, 743, fone (54)3314-7660. Esses órgãos notificarão os fornecedores de serviços ou produtos e ajustarão a conduta mais adequada nos termos da lei. Essas medidas preventivas podem resolver o problema do consumidor, evitando que ele necessite propor ação judicial para reparar danos.

Gostou? Compartilhe