Treze trabalhadores perderam a vida em 2017

Não utilização de equipamentos de proteção é a principal causa das mortes

Escrito por
,
em
Cerest realizou evento na Praça Teixeirinha

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A falta de cuidados durante a jornada de trabalho tem causado vítimas em Passo Fundo e no estado do Rio Grande do Sul. Durante o ano de 2017, 13 trabalhadores morreram enquanto durante a jornada de trabalho. Em toda a região Nordeste do Estado, 5.191 acidentes e doenças resultaram em mortes durante o período de trabalho.


O número se refere a casos notificados ao Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) do Nordeste do Estado. No entanto, muitas empresas ou até mesmo trabalhadores acabam não comunicando sobre a ocorrência de acidentes de trabalho para não se responsabilizar. “A comunicação e a notificação são fundamentais”, explica a coordenadora do centro de referência em saúde do trabalhador (Cerest) do nordeste do estado, Tânia Moterlet.

 

Entre as principais causas dos acidentes aparece a falta do uso de equipamento de segurança. O fato é recorrente principalmente para os trabalhadores autônomos, que por precisarem comprar o próprio equipamento, muitas vezes deixam a segurança de lado. “Não adianta o empregador entregar os equipamentos e não capacitar as pessoas para usar. E quando acontece um acidente é necessário melhorar o ambiente para que não aconteça novamente”, ressalta Tânia. Mortes em função de doenças crônicas também são comuns, assim como durante o trajeto de ida ou volta para o trabalho.

 

Evento em Passo Fundo

A Cerest, responsável por 62 municípios da região Nordeste, realizou ações na Praça Teixeirinha, em Passo Fundo, durante a tarde de sexta-feira (27). A ideia era aproveitar a proximidade com a data que marca o dia nacional em memória das vítimas em acidentes e doenças do trabalho para mobilizar a população para o grande número de mortes. “A curiosidade das pessoas é grande. Eles chegam até nós e explicamos a importância da prevenção e qual é o nosso trabalho”, disse Tânia. Desde 2015, o 28 de abril é conhecido assim no Brasil, devido a um acidente com 78 trabalhadores que aconteceu em uma mina nos Estados Unidos.

Gostou? Compartilhe