UPF promove discussão sobre a desigualdade

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A partir de segunda a UPF começa sua Semana do Conhecimento, que já se tornou tradição no segundo semestre (é a quinta edição) todos os anos, reunindo centenas de apresentações, oficinas, rodas de conversa, lançamentos de obras, trocas de ideias e discussões que promovem uma interação fluida entre tudo o que constitui a própria Universidade: graduação, pós-graduação, pesquisa e extensão. Alunos, professores e funcionários envolvem-se, durante três turnos e cinco dias, no que o próprio nome já antecipa: conhecimento. É padrão que Semana do Conhecimento use o cinema para servir de “gatilho” (muito cuidado com essa palavra nos dias de hoje) para discussões multidisciplinares, e a quinta edição não é diferente. A terça à noite prevê um CineDebate em torno do tema das desigualdades sociais. O ponto inicial das discussões é o ótimo “Que horas ela volta?” de Anna Muylaert, que muita gente já viu, mas que talvez possa rever a partir de diferentes olhares. Faço parte da mesa de discussões pós-exibição e vou tentar mostrar as estratégias audiovisuais usadas para tecer comentários sobre desigualdades sociais e a luta de classes no Brasil. O filme de Muylaert faz uso de movimentos de câmera, enquadramentos, encenação, repetições e padrões para constantemente expor sua visão sobre o tema. Quem parte dessa interpretação para deslanchar seu conhecimento sobre esses temas, então, serão os professores Glauco Ludwig Araújo e Clenir Maria Moretto. O CineDebate começa às19h20min da terça, no Centro de Eventos do Campus I. Todos convidados.

***

Rezando para que o final de semana seja de sol, porque a Semana Passo Fundo de Cinema encerra, sábado e domingo, com atrações ao ar livre. Sábado, se tudo der certo, o Ginásio de Esportes do Bairro Záchia recebe a estrutura itinerante do SESC para exibições e terá como atração o filme O Menino da Porteira, a partir das 19h. No domingo, o SESC leva sua tela para exibir o ótimo “O Palhaço” (que baita filme) para o anfiteatro do Parque da Gare, a partir das 19h. Se o tempo permitir, chance de unir o útil ao agradável.
E um dos grandes momentos da semana reservado para o sábado à noite, no Rito Espaço Coletivo (rua Aníbal Bilhar, 900), é o bate papo com convidados virtuais sobre o panorama atual do cinema gaúcho e brasileiro.  Os convidados são Paulo Mendonça, roteirista, compositor, diretor-geral do Canal Brasil e diretor vice-presidente da Academia Brasileira de Cinema e Beto Rodrigues, produtor e realizador de cinema, presidente da Fundação de Cinema do Rio Grande do Sul, que participam a partir do esforço da produtora Rafaela Pavin, que já trouxe para a Semana o filme “Esteros”, exibido no Cinematógrafo CineClube na última quarta-feira. Após o bate-papo, show Trilha de Filmes com a Big Band UPF.

***

Está chegando aos cinemas “A Primeira Noite de Crime”, derivado de um filme lançado em 2013, “The Purge – Uma Noite de Crime” (que teve duas continuações e deu origem a uma série lançada no embalo do filme – ou o filme veio no embalo da série - há três semanas na Amazon Prime.) O filme é ruim, principalmente em comparação ao primeiro, que tem Ethan Hawke e trabalha um conceito bem diferente, em torno de uma família entrincheirada em casa contextualizando como sub-trama o quanto fingimos em nossas relações cotidianas. Lembro do filme porque o tema é atual: num tempo assumidamente próximo do nosso, o governo dos EUA institui uma noite de “expurgo” em que serviços policiais e de saúde não funcionam e tudo se torna legalizado, inclusive o assassinato, para que os cidadãos possam “expurgar” sua raiva e tornar o país melhor nos 364 dias restantes do ano. Obviamente milhares de cidadãos saem ás ruas fantasiados e armados para saciar sua sede de violência. A rima dessa série de filmes com os tempos que vivemos é assustadora, mas é uma pena que a opção dos produtores seja a de explorar a violência gráfica deixando as discussões morais em segundo plano, que poderiam render uma aproximação que justificasse mais a premissa mórbida, principalmente dos três filmes que se seguiram. 

Gostou? Compartilhe