UPF recebe o III Seminário Sul-Brasileiro sobre a Sustentabilidade da Araucária

Com temas focais que abordam as cadeias produtivas da Araucária, conservação e biodiversidade, inovação, uso sustentável, educação, legislação e políticas públicas, o evento será realizado de 23 a 25 de maio

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?
A Universidade de Passo Fundo (UPF) será palco de um importante debate acerca da conservação do Pinheiro-Brasileiro entre os dias 23 e 25 de maio. A Instituição recebe representantes de todo o país no III Seminário Sul-Brasileiro sobre a Sustentabilidade da Araucária, que acontece pela primeira vez no Rio Grande do Sul. O seminário trará para debate temas como cadeias produtivas, inovação, políticas públicas e legislação, conservação, educação e será realizado no Centro de Eventos da UPF.
 
O evento é uma realização do Projeto Charão do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UPF e uma promoção de diferentes instituições. Além da UPF, são promotoras a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Embrapa Florestas. O objetivo é oportunizar um amplo debate sobre o uso sustentável, a produção e a conservação do Pinheiro-Brasileiro, envolvendo sociedade e poder público do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
 
Coordenador do evento, o professor Jaime Martinez, destaca que são esperados muitos pesquisadores envolvidos com o pinheiro-brasileiro e a Floresta com Araucária, que atuam em áreas de conservação, produção e inovação, e que podem subsidiar o poder público na elaboração de políticas públicas voltadas a salvar uma árvore que foi amplamente explorada no Brasil. “Precisamos, também, que o proprietário de terras veja a araucária com outros olhos, que veja nela uma efetiva possibilidade de gerar renda dentro da propriedade, de maneira sustentável, pela colheita de pinhões ano a ano, mantendo a árvore em pé, mantendo a floresta em pé”, frisa ele.
 
Conforme Martinez, os organizadores do evento esperam que mais jovens pesquisadores dos cursos do pós-graduação, a exemplo do PPGAgro e PPGCiAmb da UPF -  os dois programas envolvidos na organização do evento dentro da UPF -, se envolvam em pesquisas com a Araucária, essa espécie que vive na Terra há cerca de 230 milhões de anos e ainda é tão pouco pesquisada. “O interesse das novas gerações pela Araucária é marcante, pois tivemos a submissão de 64 trabalhos técnicos que serão apresentados durante o Seminário. Esse interesse deve continuar, tanto para ampliar a conservação das florestas naturais remanescentes e para preservar sua rica biodiversidade, como para ampliarmos a cobertura de florestas com Araucárias no Brasil, o que se dará pelo plantio de novas áreas de pinheirais, utilizando do conhecimento e da tecnologia que temos no presente”, evidencia o professor.
 
Apresentação de trabalhos
Segundo Martinez, hoje são conhecidas algumas araucárias que começaram a produzir aos 8 anos de idade e chegaram a produzir em um único ano 647 pinhas. “Esse material tem sido alvo da pesquisa que busca, pela propagação como a enxertia e outras técnicas, propagar esse material genético de alta produtividade”, informa ele.
 
Estudos como esse serão apresentados no III Seminário Sul Brasileiro sobre a Sustentabilidade da Araucária, que teve 64 trabalhos científicos inscritos, oriundos de universidades do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, e também da Argentina, em especial da província de Misiones, que também abriga Florestas com Araucárias. A Comissão Científica selecionou 18 trabalhos para serem apresentados na forma oral e os demais serão apresentados na forma de pôster, todos contemplando uma ou mais das áreas temáticas do evento, entre elas, áreas de Conservação e Biodiversidade, Produção e Cadeias Produtivas, Inovação, Política e Legislação, além de Educação. Os trabalhos também serão publicados no livro dos Anais do evento.
 
Reunião de Unidades de Conservação
Uma das atividades paralelas do III Seminário Sul Brasileiro sobre a Sustentabilidade da Araucária será a reunião das Unidades de Conservação que protegem a Floresta com Araucárias. Já estão confirmadas as presenças dos gestores do Parque Estadual do Espigão Alto, da RPPN UPF, da Floresta Nacional de Passo Fundo, do Parque Natural Municipal de Carazinho, da RPPN Papagaios-de-Altitude, do Parque Natural Municipal de Sertão, do Parque Natural Municipal do Pinheiro-Torto, do Parque Estadual do Papagaio-Charão, entre outros. A reunião das unidades de conservação em Florestas com Araucárias ocorrerá no Centro de Eventos da UPF, às 18h, logo após a sessão de apresentação de trabalhos científicos.
 
As Unidades de Conservação são locais de extrema importância onde os ecossistemas constituídos com a presença do pinheiro-brasileiro contam com a proteção integral, sem uso direto dos recursos naturais, a exemplo dos Parques Nacionais, Estaduais e Municipais, as Reservas Biológicas e as Estações Ecológicas. Há também as unidades de conservação consideradas de uso sustentável, onde a conservação da natureza se dá com técnicas de manejo sustentável, a exemplo das Florestas Nacionais como a de Passo Fundo, localizada no município de Mato Castelhano.
 
Para Martinez, a participação dos gestores das áreas naturais protegidas em ambientes de Florestas com Araucárias no evento é de fundamental importância, pois os assuntos debatidos durante o evento poderão instrumentalizá-los no sentido de melhor atuarem na conservação do pinheiro-brasileiro, a médio e longo prazo. “A reunião entre os gestores dessas unidades de conservação permitirá também uma troca de ideias e estratégias na proteção do pinheiro-brasileiro, e, por serem pessoas que estão em contato com o público que visita essas áreas, atuando como agentes multiplicadores, permitirão uma maior difusão dos temas tratados no Seminário”, aponta ele.
Gostou? Compartilhe