"Viu, sentiu compaixão e cuidou dele" (Lc 10,33-34) | parte III

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O lema da Campanha da Fraternidade é fundamentado na parábola do “Bom Samaritano”. Ela é uma resposta de Jesus a uma pergunta teórica: “E quem é o meu próximo?” A conclusão da parábola leva a uma resposta e a uma experiência existencial de comporta-se como próximo. O ponto de partida do fazer-se próximo começa com o olhar. O samaritano viu, sentiu compaixão e cuidou. Os outros personagens da parábola que passaram pelo mesmo caminho também viram, mas não desenvolveram a compaixão e por isso também não se envolveram.
As reflexões do filósofo Jean-Paul Sartre (1905+1980) sobre o olhar, presentes na obra “O ser e o nada”, ajudam a compreender a profundidade da parábola. Na análise da existência humana ele reflete sobre o olhar. Com as coisas o ser humano tem uma relação, mas com os outros sujeitos a relação é diferente.
Sartre parte da constatação que o outro, o próximo é uma presença. Não é preciso ter outro argumento para ter certeza da existência do outro. O ponto de partida é a simples presença. Quando se percebe a presença de alguém, num primeiro momento ele se apresenta como um objeto em meio a outros objetos, mas logo se percebe que este alguém se relaciona com o que existe ao seu redor. Enquanto estiver na condição de objeto o outro não causa nenhuma crise.
O pensador continua argumentando que a descoberta mais dramática vem quando o outro levanta os olhos e me olha. De um momento para outro me sinto observado e transformado de sujeito em objeto. O olhar do outro não é neutro, mas causa uma reação imediata. Assim como havia olhado o outro e o tinha visto como objeto entre outros, assim o olhar do outro também me torna objeto. Independentemente de qualquer julgamento, uma coisa é certa: só deste modo que se determina a descoberta do outro como sujeito, senão pela relação eu e outro.
Quando o outro entra subitamente no mundo da minha consciência, a minha experiência se modifica: não tem mais o seu centro em mim e eu me vejo como elemento de um projeto que não é meu e não me pertence. Eu não estou só. O olhar do outro provoca uma reação que pode ser de vergonha, desprezo, socorro. É o encontro de dois sujeitos.
Na parábola do samaritano percebemos diferentes tipos de olhares. Jesus inicia a parábola contanto que um homem descia de Jerusalém a Jericó. Ele é visto pelos assaltantes. O que veem nele? Um objeto que tem objetos, por isso o roubam, inclusive o que vestia, e ainda o espancam. Não o tratam como sujeito, mas como objeto a ser explorado e jogado fora.
Passam também o sacerdote e o levita que veem o homem assaltado; a situação dele é descrita como se estivesse “quase morto”. Viram e tomaram como medida preventiva para não serem vistos, passando “pelo outro lado”. Nesta perspectiva, mantêm o homem “quase morto” como um objeto jogado à margem da estrada. Não permitiram que se estabelecesse uma relação de sujeitos ou de aproximação.
O outro viajante é um samaritano que viu e, certamente, deixou-se ver. O “quase morto” entrou na vida dele e ele percebeu que não estava só. Agora o caído o conhecia e começou a fazer parte da vida dele, não podia mais ignorar a presença dele. Não estava diante de um objeto, mas de um sujeito que lhe fazia um apelo de socorro. Diz Sartre: “Com o olhar do outro (...) não sou mais senhor da situação”. A partir daí, desencadeia-se a compaixão e o cuidado.

Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
13 de março de 2020

Gostou? Compartilhe