"A bandeira vermelha foi injusta com Passo Fundo porque a capacidade de atendimento não estava em risco" avalia médico membro do COE

Por
· 3 min de leitura
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quase quatro meses após a publicação dos primeiros decretos visando o isolamento social para achatar a curva de contágio pelo coronavírus, e dois, desde a implementação do sistema de Distanciamento Controlado elaborado pelo governo estadual que impôs diferentes colorações de bandeiras para as macrorregiões gaúchas, o médico, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Passo Fundo (UPF) e membro do Comitê de Orientação Emergencial (COE) de Passo Fundo, Paulo Roberto Reichert, afirma que uma volta da região ao patamar vermelho nas bandeiras é “injusto”. Em uma entrevista por telefone com o jornal O Nacional, na manhã de quinta-feira (2), ele avaliou os reflexos locais da pandemia da Covid-19. 

ON: Professor, hoje [quinta-feira] pela manhã, o governador Eduardo Leite (PSDB) fez um pronunciamento solicitando que a população permaneça em casa por uma possível sobrecarga no sistema de saúde com a chegada do inverno. Na mesma tarde, os prefeitos devem se reunir com ele solicitando uma alteração na cor da bandeira para a região. É prudente, agora, evoluir de uma bandeira vermelha para uma laranja, por exemplo?

Paulo Roberto Reichert - Nós temos que valorizar a pandemia, mas as outras doenças não pararam. Eu espero que quando a pandemia passar, se continue dando atenção aos leitos porque esse problema é antigo. Espero que continue se falando em investimento em saúde. Nós paramos cedo demais no sentido de evitar o esgotamento dos hospitais. Empurramos a curva e a empurramos para o inverno. Vejo de forma negativa porque estamos pagando um preço por isso. Precisamos encontrar um equilíbrio entre preservar a vida e evitar as mortes em decorrência da recessão gerada pela pandemia. Tentar achar esse equilíbrio é bastante difícil. Não podemos fechar as atividades produtivas, mas também precisamos pensar na saúde.

ON: Alguns prefeitos, inclusive, já pediram desvinculação da área de Passo Fundo para poder abrir o comércio. Como o senhor avalia isso?

Paulo Roberto Reichert-  A maioria dos leitos são ocupados por pacientes de outros municípios. Estamos pagando um preço de sustentabilidade gigantesco por causa disso. Pensamos em um contexto de saúde e a cidade é um polo de atendimento na área, que recebe pacientes de outras localidades. O esforço que Passo Fundo fez, os demais municípios não fizeram. A bandeira vermelha foi injusta com Passo Fundo porque a capacidade de atendimento não estava em risco.

ON: Falta, portanto, um maior diálogo do governo estadual com as secretarias de saúde de cada município para entender o contexto local de cada um?

Paulo Roberto Reichert -  A necessidade de um maior diálogo com o governo estadual já foi pontuado pelo prefeito, Luciano Azevedo. Todos temos que nos cuidar e atender, especialmente, a população mais fragilizada.  No HSVP [Hospital São Vicente de Paulo], a internação na UTI Covid tinha um número significativo, mas as internações nos postos diminuíram bastante. O COE sugere que aqueles que podem ficar em casa, fiquem. Fazemos duas ou três reuniões semanais porque existe a preocupação com os surtos, como em lares de idosos e fábricas.

ON: A Prefeitura de Passo Fundo abriu edital para a compra da hidroxicloroquina. Como o senhor avalia a administração dessa medicação nos pacientes com sintomas leves de coronavírus?

Paulo Roberto Reichert - Existe um protocolo do município para isso para que o médico discuta com o paciente. Fica a cargo dele, mediante a assinatura de um termo de consentimento. Foi entregue, inclusive, um documento ao governo estadual para que o uso de azitromicina [antibiótico utilizado no tratamento de infecções bacterianas] e zinco seja feito de modo mais generalizado. Isso está sendo discutido.

ON: É possível prever até quando o sistema de bandeiras vai predominar?

Paulo Roberto Reichert -  A resposta é não. Esta situação vai se estender mais do que pensávamos inicialmente. Existem muitas dúvidas sobre o comportamento da pandemia em 2021, sobre a duração da imunidade de quem já foi infectado e eficácia da vacina que, esperamos, que saia até o final do ano. Estamos cheios de dúvidas porque é uma doença nova. Se olharmos para a Gripe Espanhola [pandemia do vírus influenza que infectou 500 milhões de pessoas em 1918], ela durou 2 anos. A vida continua, mas nós temos que nos proteger. 

Gostou? Compartilhe