Ocupação na Casa de Passagem está abaixo da média do mês

Mesmo com a redução de metade das vagas em razão da pandemia, procura é de apenas 35%

Por
· 2 min de leitura
Luciano Breitkreitz/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Casa  de Passagem Madre Teresa de Calcutá de Passo Fundo (antigo Albergue Municipal) está operando com capacidade reduzida devido à pandemia do novo coronavírus. O local que pode receber até 30 pessoas, reduziu a capacidade de atendimento para 50% da ocupação. No entanto, mesmo com a redução das vagas e a chegada do frio, a procura está abaixo do esperado. 

"A ocupação está em 35%, bem abaixo do normal para esta época do ano, quando a média é de 80%", disse o  coordenador da Casa, Eduardo Camargo.  A unidade oferta acolhimento provisório para adultos em situação de rua e pessoas em trânsito, entre outras situações.

Alguns fatores podem explicar a diminuição na procura. Um deles é a redução de pessoas se deslocando para Passo Fundo, em razão da pandemia.  “Diminuiu nos últimos dez dias a circulação”, afirma o coordenador. Além disso, ele acredita que a intensificação de ações, como o fornecimento de passagens de retorno para pessoas de outras cidades está contribuindo para a diminuição da procura. “Verificamos que as equipes acabaram agindo de uma forma mais rápida para diminuir a  demanda”, disse Eduardo. 

A maioria dos usuários da Casa não é morador  de Passo Fundo. No momento da entrevista, apenas um pessoa no local era da cidade. O coordenador explica também que durante a pandemia muitos voltaram para suas residências e avalia que as ações de abordagem estão dando certo.

 “Muitas vezes eles vêem por causa de emprego”, explica. Outros têm problemas com bebidas alcoólicas, substâncias psicoativas ou até mesmo transtornos mentais.

Devido à pandemia, foi providenciado um novo local para abrigar quem necessitasse da Casa, junto a uma Igreja, no entanto, ele não chegou a ser utilizado pela falta da demanda. 

Higienização

A Casa também adotou medidas de higienização para evitar o contágio pelo vírus. Entre elas está a medição de temperatura, a colocação de tapetes de higienização e de dispensers de álcool em gel. As refeições agora são servidas e entregues diretamente a cada um, sem buffet. Também é realizada a limpeza dos espaços a cada duas horas e os quartos são arejados. O uso de máscaras é obrigatório, exceto na hora de dormir, quando já há distanciamento devido a redução da capacidade. 

A Casa não determina um tempo mínimo para que os usuários fiquem no local. “O tempo é conforme a necessidade de cada, a gente tem organizado para que eles possam ficar o mínimo possível”, explicou o coordenador. Eles ainda são orientados a não circular pela cidade. Em média, os usuários ficam três dias na Casa. “Um ou outro que fica a mais, que tem alguma consulta, uma internação”, contou Eduardo.

A Casa de Passagem está localizada na Rua Uruguai, 266, no Bairro Petrópolis. O telefone para contato é (54) 3314-6180. Passo Fundo também possui o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, o Centro Pop Júlio Rosa, que oferece atendimento e apoio durante o dia. O telefone é (54) 3314-5278. A busca ativa é realizada pelo Serviço Especializado em Abordagem Social. O contato pode ser feito pelo telefone 99193-9597.

Gostou? Compartilhe