Câmara ouve COE e Executivo sobre combate à pandemia

A letalidade atual em Passo Fundo é de 2,1%, na capital é de 3,8%, a média no RS é 2,4%, e a brasileira, 3,9%.

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Câmara de Passo Fundo reuniu vereadores, membros do Comitê de Orientação Emergencial (COE), secretários municipais e outros integrantes do Poder Executivo, além do Ministério Público, para discutir o enfrentamento ao Coronavírus. O encontro virtual, realizado na manhã desta sexta-feira (10), serviu para esclarecer dúvidas e ouvir um panorama do desenvolvimento da doença no município.

De acordo com os relatos dos representantes do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), Hospital de Clínicas (HC) e da prefeitura, Passo Fundo enfrentou precocemente a disseminação do vírus, um exemplo foi o número de contaminados na JBS, assim como ocorreu com outros frigoríficos do estado, elevando os índices nessas cidades.

Os profissionais de saúde explicaram que o número de mortalidade pode ser considerado alto, mas o índice de letalidade, ou seja, o número de pessoas infectadas que foram a óbito, é mais baixo do que a média gaúcha e brasileira. A letalidade atual em Passo Fundo é de 2,1%, na capital é de 3,8%, a média no RS é 2,4%, e a brasileira, 3,9%.

“No início ficamos em alerta, mais de 10% dos gaúchos internados em UTI estavam em Passo Fundo. Hoje baixou para 5%, então compreendemos que se tratava da fase da epidemia, que foi assim em outros países e está sendo assim em outros municípios”, acrescentou o diretor técnico do HC, Juarez Dal Vesco. 

 

Cloroquina e Hidroxicloroquina

 

Em relação ao uso de medicamentos para tratamento da Covid-19, a secretária municipal de saúde, Carla Beatrice Gonçalves, esclareceu que o município não recomenda, nem proíbe o uso de medicamentos como a cloroquina e a hidroxicloroquina. Outro membro do COE, Julio Stobbe (UFFS), acrescentou: “prescrever medicamentos é uma prerrogativa do médico. Mas, para não deixar dúvidas, o COE decidiu e ontem alteramos a redação do protocolo para deixar bem clara esta posição”.

 

Falta de medicamentos

 

Segundo a secretaria de saúde, a prefeitura fez pedidos de repasse, aos governos estadual e federal, de cloroquina e hidroxicloroquina, mas ainda não recebeu. Por isso está fazendo uma compra própria dos medicamentos através de pregão eletrônico.

No entanto, segundo a vice-diretora médica do HSVP, Cristine Pilati, o que mais preocupa os hospitais no momento é a falta dos medicamentos sedativos e anestésicos utilizados nos kits para entubação. O próprio governo do estado recomendou que as cirurgias eletivas fossem canceladas, como medida de manter os estoques para as emergências, pois esses produtos estão escassos no mercado.

 

Testes de covid-19

Outro questionamento dos parlamentares foi sobre o número de pessoas testadas, a prefeitura garantiu que não há falta de testes, tanto em hospitais quanto na rede municipal. O Cais da Petrópolis, que é a referência para o coronavírus, está aplicando desde o teste rápido ao PCR. “Somos um dos municípios gaúchos que mais testam a população e o nosso planejamento é para ampliar ainda mais o número de passo-fundenses testados”, acrescentou a secretária.

 

Gostou? Compartilhe