Governo mantém região de Passo Fundo em bandeira vermelha

Medidas de restrição nas atividades econômicas devem ser mantidas até a próxima segunda-feira

Por
· 4 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

A região de Passo Fundo manteve classificação de bandeira vermelha, pela terceira semana consecutiva, no plano de distanciamento controlado adotado pelo Governo do Rio Grande do Sul. O anúncio foi feito pelo governador do Estado, Eduardo Leite, durante transmissão ao vivo na tarde de ontem. Os protocolos da bandeira vermelha devem ser respeitados até, pelo menos, a próxima segunda-feira (3), período em que ficam mantidas as medidas de restrição nas atividades econômicas da região. 

De acordo com a análise do Estado, Passo Fundo apresentou melhora em um indicador que considera dados específicos da região, mas manteve avaliação de risco máxima (bandeira preta) em outros dois indicadores considerados para o cálculo das bandeiras, fazendo com que os municípios da região permanecessem sob situação considerada de risco alto para o contágio do novo coronavírus. Por esse motivo, o recurso protocolado pela Prefeitura de Passo Fundo, no último fim de semana, solicitando a reconsideração da bandeira preliminar, foi negado pelo Gabinete de Crise do Estado.

Apesar de os dados ainda indicarem a necessidade de atenção quanto ao avanço da pandemia em Passo Fundo, o governador ressaltou que a região vem se aproximando de uma estabilização no conjunto dos indicadores, o que sinalizaria a possibilidade de retorno à bandeira laranja no próximo mês. “Em Passo Fundo, nós vimos o crescimento na ocupação de leitos de UTI crescendo em patamares, mas sem obedecer uma regra persistente de aumento de internações. E tem alguns dados que sugerem que a região de Passo Fundo pode, muito em breve, retornar à bandeira laranja”, destacou. 

Passo Fundo registra aumento na ocupação dos leitos de UTI

De acordo com nota técnica apresentada pelo Estado, a região de Passo Fundo voltou a ser classificada com a cor vermelha no mapa de distanciamento controlado por registrar piora em dois do total de indicadores considerados para cálculo das bandeiras. Um deles diz respeito ao aumento no índice de ocupação nos leitos de UTI por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e casos confirmados de Covid-19. Foram registradas 66 hospitalizações Covid-19 apenas na última semana – um aumento de 8,2% em relação à semana anterior, quando foram 61 registros. Por outro lado, para os internados em leitos clínicos por Covid-19, situação se manteve quase estável, passando de 65 para 66 pacientes.

Para pacientes internados em leitos de UTI por confirmação de Covid-19, no último dia de análise, a situação aumentou de 37 para 42 pacientes. No caso de internados em UTI por SRAG, o aumento foi de seis pacientes, passando de 51 para 57. Também se verifica a manutenção do número de leitos de UTI livres, com 26 unidades, contribuindo com o indicador de Mudança na Capacidade de Atendimento da macrorregião Norte. Além disso, Passo Fundo e municípios próximos somaram 575 casos ativos na última semana, frente à 1.305 casos recuperados nos 50 dias antes do início da semana, colocando a região em bandeira laranja nesse indicador. No quesito de projeção de óbitos, a região apresentou bandeira preta, uma vez que as 14 mortes notificadas ao longo da semana, quando projetadas, apontam o valor de 2,45.

Oito regiões permanecem em bandeira vermelha

Na 12ª rodada do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul manteve as mesmas oito regiões da semana anterior em bandeira vermelha. São seis regiões a menos do que no mapa preliminar, divulgado na última sexta-feira (24), em que 14 regiões haviam sido classificadas com alto risco epidemiológico. Isto porque, após analisar 49 pedidos de reconsideração enviados por municípios e associações, o Gabinete de Crise decidiu acatar o recurso das regiões de Santo Ângelo, Cruz Alta, Santa Rosa, Santa Cruz do Sul, Pelotas e Bagé, que retornaram à classificação de bandeira laranja. Por outro lado, foram indeferidos os recursos apresentados pelas regiões de Caxias do Sul, Novo Hamburgo, Palmeira das Missões e Passo Fundo, que permanecem em bandeira vermelha, por terem apresentado alto nível de ocupação dos leitos e de propagação do vírus. Assim, se juntam a Capão da Canoa, Novo Hamburgo, Canoas e Porto Alegre, que já estavam em vermelho e não apresentaram pedido de reconsideração. 

Gestão compartilhada do plano de distanciamento controlado ainda está em discussão

Durante a transmissão ao vivo, Eduardo Leite comentou também sobre a possibilidade de alteração no atual modelo de distanciamento controlado implementado no Rio Grande do Sul. Na última semana, o governador esteve reunido com a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (FAMURS) para discutir uma proposta de gestão compartilhada do modelo, dando mais autonomia aos prefeitos para que possam decidir as medidas de restrição adotadas em suas respectivas regiões. “O que ficou consagrado naquela reunião é o que estamos encaminhando hoje: um ofício à FAMURS para que ela leve [a proposta] ao conhecimento das associações de municípios, no sentido de elas debaterem este modelo com os prefeitos que integram as associações”, adiantou.

O projeto prevê que seja mantida sob responsabilidade do Estado a análise dos indicadores relacionados ao avanço da pandemia em território gaúcho, assim como a definição das bandeiras de distanciamento controlado. No entanto, caso as associações concordem com o plano de gestão compartilhada, os municípios poderão optar por adotar regras mais brandas do que aquelas inicialmente previstas para cada bandeira, desde que a região entre em um consenso. Além disso, os protocolos adotados pela região não poderão ser menos restritivos que os da bandeira inferior. “Ou seja, uma região que esteja na bandeira vermelha pode até não usar os protocolos da bandeira vermelha, mas não poderá ficar apenas nos protocolos da bandeira laranja. Ela terá que ter um protocolo mais restritivo do que os da bandeira laranja – não poderá ser menos restritivo ou simplesmente equivalente”, esclareceu o governador. Ele defende que a cogestão do modelo ampliará o engajamento dos prefeitos na adoção dos protocolos e na fiscalização de cumprimento das medidas. 

Quatro mortes em 24 horas

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou, na tarde de ontem (27), quatro óbitos de moradores de Passo Fundo em decorrência da Covid-19. As vítimas são dois homens, um de 77 anos e outro de 55 anos, e duas mulheres, uma de 49 anos e outra de 89 anos. Um das mortes já tinha sido divulgada mais cedo pela Secretaria Estadual de Saúde. O total de moradores de Passo Fundo vítimas da Covid-19 chega, assim, a 68. Ainda de acordo com o boletim municipal, desde o início da pandemia, a cidade já registrou 3.242 casos confirmados. Deste total, 325 estão ativos e 2.849 recuperados. Quanto ao número de hospitalizações, nesta segunda-feira, Passo Fundo registrava 105 pacientes internados no município: 42 em UTI e 63 em leitos clínicos. 


Gostou? Compartilhe