OPINIÃO

A busca pela autossuficiência em cevada e malte no Brasil ?EUR" Parte 2

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma vez posto em marcha o “Programa Nacional de Auto-Suficiência de Cevada e Malte”, com o aporte de recursos do Governo Federal, em 1977, os trabalhos de pesquisa com a cultura de cevada efetivamente tiveram início na Embrapa. Até então, o esforço de pesquisa com cevada na esfera de atuação das instituições públicas brasileiras, ainda que tenha existido, não gozava de reconhecimento público. O domínio, tanto em melhoramento genético quanto em manejo de cultivo e em tecnologia de malteação, estava sob o controle da inciativa privada, que fomentava a produção de cevada no Brasil; notoriamente a Companhia Cervejaria Brahma e a Companhia Antarctica Paulista - IBBC.
Admite-se que, apesar de a cevada ter sido trazida para o Brasil desde os primeiros anos da colonização portuguesa, essa cultura somente adquiriu importância econômica a partir dos anos 1930, quando passou a ser cultivada no País para a fabricação de cerveja, especialmente nas áreas colônias do sul do País.
Relatos históricos dão conta que a pesquisa em melhoramento genético com cevada no Brasil pode ter começado Rio Grande do Sul, quando da criação, em 1919, pelo Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, da Estação Experimental de Alfredo Chaves (atual Veranópolis/RS) juntamente com o trigo, a espécie alvo principal daquele estabelecimento. A iniciativa privada começou a trabalhar com pesquisa em cevada no Brasil em 1941, quando da instalação de uma estação experimental em Gramado/RS, de propriedade da Cervejaria Continental, de Porto Alegre. Em 1947, a Companhia Cervejaria Brahma adquiriu a Cervejaria Continental, dando um novo impulso às atividades de pesquisa em cevada. Depois, nesse rastro, nos anos 1950 e 1960, também houve o início dos trabalhos de pesquisa com cevada pela Companhia Antarctica Paulista – IBBC e pela Weibull do Brasil, na inciativa privada, e pelos Institutos Agronômico de Campinas (IAC) e de Pesquisas e Experimentação Agropecuária do Sul (IPEAS), além da Secretária da Agricultura do Paraná; na esfera pública. Cabe mencionar ainda que, nesse período, o professor Cláudio Barbosa Torres, gerente de Fomento e Pesquisa da Companhia Cervejaria Brahma, mudou a Estação Experimental de Cevada de Gramado para Encruzilhada do Sul. De 1968 até 1994, essa nova Estação Experimental foi dirigida pelo engenheiro-agrônomo Arlindo Göcks. Foi Arlindo Göcks quem realizou os primeiros cruzamentos com cevada no Brasil, em 1964.

 

Foi graças a esses trabalhos pioneiros, por meio da seleção de cultivares adaptadas ao ambiente inóspito dos solos ácidos e com umidade elevada do sul do País, que a produção e cevada conseguiu ser sustentada, paralelamente ao desenvolvimento da agricultura mecanizada em áreas de campo, no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná, até o começo dos anos 1970, quando houve drástica redução de produção, que resultou em descontinuidade das pesquisas nas instituições públicas e o arrefecimento das atividades no setor privado. A Weibull do Brasil, empresa de capital sueco, que mantinha uma estação experimental em Carazinho/RS, encerrou as suas atividades no Brasil em 1971. Em 1973, com a elevação de preços de cevada e malte no mercado internacional, o interesse no cultivo de cevada no País foi retomado. A International Plant Breeders (IPB) iniciou um programa de melhoramento genético de cevada no Brasil, em 1974. E advém, na sequência, o “Programa Nacional de Auto-Suficiência de Cevada e Malte”, em 1976, e, dando sustentação e esse plano do Governo Federal, à Embrapa, por intermédio do Centro Nacional de Pesquisa de Trigo (CNPT), foi dada a competência para a execução e coordenação de pesquisas com cevada no território nacional. Foi quando houve a formatação de um programa de melhoramento genético voltado à criação de cultivares de cevada cervejeira, no escopo de um amplo Programa Nacional de Pesquisa de Cevada (PNP Cevada). (continua...)

 

Gostou? Compartilhe