OPINIÃO

A esperança se renova

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em tempos de grandes dificuldades as pessoas se comportam de maneiras diferentes. Entre outras reações, constatamos que algumas se dão por vencidas e se acomodam. Outras esperam que apareça alguém que possa mudar a situação de fora, de forma heroica e triunfal. Alimentam o desejo de que alguém vá mudar a situação por mim. Também existe a reação daqueles que cientes da gravidade da situação, procuram construir de forma criativa e corajosa soluções para as realidades a serem mudadas. São conscientes de que a mudança exige a própria participação.
O tempo litúrgico do advento, celebrado na liturgia católica para a celebração digna do Natal, é repleto de ensinamentos para alimentar a esperança nos cristãos. Lendo, meditando e rezando os textos que anunciam Jesus, os cristãos de hoje entram em comunhão com os sofrimentos e as expectativas daquela época. Com plena consciência de que não se volta no tempo, mas o passado ajuda a animar e fortalecer a vivência do tempo presente.
O tempo presente desafia a todos. É tempo propício para renovar a esperança. “É na esperança que fomos salvos”, diz São Paulo aos Romanos (Rm 8,24). Graças a ela podemos enfrentar o tempo presente, por mais custoso que seja. Mas qual esperança estamos falando? Onde se fundamenta. A esperança cristã se fundamenta em Deus e na sua proximidade com mundo. Natal é a presença viva de Deus, em Jesus Cristo. É a nossa grande esperança, afirma o papa emérito Bento XVI, diante das esperanças passageiras.
Aproximando-se o Natal é preciso lembrar que não se trata apenas de uma notícia informativa, mas é um acontecimento histórico que gera fatos e muda a vida. Provoca a reação as pessoas, gera um encontro com o Deus vivo e transforma de dentro a vida e o mundo.
A esperança coloca a pessoa em movimento, pois “Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, amor e sabedoria”, lê-se na segunda carta a Timóteo (1,7). Toda ação séria e reta do homem é esperança em ato. Todo nosso agir não é indiferente diante de Deus e nem diante o desenrolar da história. Resolver este ou aquele assunto que é importante para prosseguir a caminhada da vida, com o nosso empenho contribuir a fim de que o mundo se torne um pouco mais luminoso e humano, e assim se abram as portas do futuro.
O sofrimento faz parte da existência humana. Ele deriva da nossa finitude e, por outro lado, do volume de culpa que se acumula ao longo da história. Na luta contra a dor física se conseguiu grandes progressos, mas nunca vamos conseguir eliminar o sofrimento, simplesmente porque não conseguimos desfazer-nos da nossa finitude. Como também não conseguimos eliminar o poder do mal, da culpa que é fonte contínua de sofrimento, devido a fragilidade humana.
Fazer todo esforço possível para diminuir o sofrimento: impedir, na medida do possível, o sofrimento dos inocentes; amenizar as dores; ajudar a superar os sofrimentos psíquicos. Todos estes são deveres tanto da justiça como da caridade, que se inserem nas exigências fundamentais da existência cristã e de cada vida verdadeiramente humana.
“A grandeza da humanidade determina-se essencialmente na relação com o sofrimento e com quem sofre. Isto vale tanto para o indivíduo como para a sociedade. (nº 38). Sofrer com o outro, pelos outros; sofrer por amor da verdade e da justiça; sofrer por causa do amor e para se tornar uma pessoa que ama verdadeiramente: estes são elementos fundamentais de humanidade, o seu abandono destruiria o mesmo homem”, (nº39), afirma Bento XVI na carta encíclica Spe Salvi.
A vinda de Jesus ao mundo manifesta o seu desejo de estar próximo da humanidade, mas acima de tudo, veio fazer brilhar a dignidade humana e reacender a esperança.

Gostou? Compartilhe