OPINIÃO

A liberdade é negra

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A mais violenta iniquidade que abalou nossa história perdurou três séculos sangrentos, no Brasil. Esta realidade nacional vem desvendada a passos largos pelos estudiosos, sociólogos e historiadores honestos. A letargia de governos manipulados pelas oligarquias, - desde as capitanias hereditárias até os primórdios da República -, mantiveram a escravidão sob o escabelo imundo da lei. As instituições civis e religiosas, que deveriam ser sagradas na missão de proteger o ser humano, pactuavam flácidas. Os redutos de humanidade contra a escravidão eram proclamados insidiosos e perseguidos pelo poder oficial. Clamar por liberdade era considerado ofensa ao poder. Seguiram-se os séculos de sofrimento atroz a começar com as vítimas nativas, onde índios eram assassinados e índias estupradas pelos ferozes conquistadores. Filhos do mesmo Deus foram rejeitados por uma sociedade falsa que vicejou sob uma cultura de poder, tão torpe e duradoura que ainda encontra reflexos em nossos tempos. A partir da metade do século XVIII o abominável mercantilismo de estado não segurava mais a reprimida ideia de igualdade mínima. Sucederam-se abolições de escravatura nos Estados Unidos, iniciando em Vermont e Pensilvânia, países europeus e da América Latina, como no Paraguai. No Brasil, somente em 1888. O último a proclamar a libertação dos escravos. Após a Lei Áurea os campos de trabalho forçado continuaram transpirando a relva cruenta de mulheres e homens ultrajados, roubados da África, de suas tendas onde viviam livres. Inocentes pagaram com a vida e liberdade pelo direito de viver. E tem gente que não se importa com isso, entregando-se ao motivo absorto de não ter vivido aqueles anos de insana peculiaridade.

 

Busca da igualdade
A dolência moral tem feito escola na relativização do período deste crime hediondo praticado no Brasil escravocrata. Quando se fala em liberdade e igualdade não se trata do vício maniqueísta vulgarizado pela mídia retardatária. Não se trata de cifras manipuladas. Trata-se do respeito que devemos a todos, indistintamente. A dignidade! A propósito, o poeta, jornalista e sociólogo, Jose Hernandez, no verso 1067 (Martin Fierro – em 1872) deduz respeito ao negro: “Dios hizo al blanco y al negro/ Sin declarar los mejores;/ Les mandó iguales Dolores/ Bajo de una mesma cruz;/ Mas tambien hizo la luz/ Pa distinguir los colores”. O ideal político que busca a liberdade e igualdade, não é comunismo como dizem ignotos idiotas. É direito de ser.

 

Mulher e mãe
Celebramos no domingo, o dia das mães. Por mais bucólico que alguém possa considerar, é grande, maravilhoso este mistério sagrado da vida. E, novamente, recorre-se a Hernandez, pensador argentino que ilustra a grandeza desta natureza: “No se allará uma mujer/ A lo que esto no le cuadre;/ Y alabo al Eterno Padre,/ No porque las hizo bellas,/ Sinó porque a todas ellas/ Les dió corazon de madre.”


Ponte

O empresário e ex-deputado Luís Roberto Ponte é uma reserva de competência e sensatez política. Vejam! Ele acredita que o RS precisa recriar o aproveitamento e aprimoramento do carvão. Aqui estão as principais jazidas propícias ao processo tecnológico carboquímico. É lideranças que precisa ser ouvida, pela seriedade e competência.

 

Coaf
A pressão pela redução do Coaf – Conselho de Controle de Atividades Financeiras, hoje vinculado ao Ministério da Justiça, configura-se cada vez mais como defesa dos envolvidos em corrupção. Como vai terminar isso, não se sabe. O certo é que continuará a força de setores comprometidos do Congresso para inibir a fiscalização. Hoje é dever do Coaf denunciar eventuais irregularidades, e seria prevaricação omitir-se. Querem mudar isso!

 

Catástrofe
O ministro Paulo Guedes usou termos fatais para definir a situação financeira da Previdência. Já está insustentável e prestes a afundar as finanças do país. Aponta a reforma previdenciária como equação. A arrecadação em queda reflete imediatamente nos cofres públicos. A redução salarial não melhorou a empregabilidade. Só a renda do trabalhador da produção pode reanimar nossa economia.

Gostou? Compartilhe