OPINIÃO

As mães não morrem

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A jovem professora lia pausadamente a história de uma família de filhos pequenos. Recém vindos do jardim da infância, esses momentos (de leitura) eram intercalados às lições de alfabetização, onde letras e algarismos pareciam formas curiosas como o vento aos primeiro tatelar de asas do pássaro ao sair do ninho. A narrativa, no entanto, teve momento impactante no final daquele primeiro capítulo. A mãe, que zelava pelo bem-estar dos pequenos faleceu, após grave enfermidade. A história daquela família prosseguiria em novos capítulos, incluindo o surgimento da madrasta que cuidaria dos infantes. Um menino ingênuo e pacato não saiu da sala de aula ao final do período. Correu incrédulo e indagou à professora: está errado, né? As mães não morrem! Com brandura no tom da voz, a jovem mestra respondeu àquela criança que toda a mãe um dia vai morrer, mas lá do céu ela continuará olhando seus filhos. O garotinho saiu correndo e foi para casa, ofegante e soluçando. Queria ver a mãe, sempre ocupada com o volume de trabalho para atender aos oito filhos. No balde lotado foi jogada a última peça de roupa torcida. “Ajuda, vamos estender isso!” Aquela mãe percebera a angústia do filho e suspendeu repentinamente a tarefa no estendal. Abraçou o menino e disse que viveria muitos anos, até que nenhum dos filhos dependesse dela. Depois anunciou que era hora de fazer a janta. A família estava reunida ao redor da mesa. Eram dez, e nove se sentaram para se servir. Ela era puro zelo. Ao redor da mesa se movia ágil e dizia palavras de paz. “Sem briga”, advertia, e circulava servindo, servindo, servindo e ajeitando talheres. À noite todos dormiam. Um deles, em meio ao sono soluçava. A mãe foi até ele, depositou um beijo doce como favo de mel, acariciou sua mão, e o menino dormiu em sono profundo.

Força natural

A humanidade parece perdida e tresloucada em guerras, ódios, miséria, e incompreensões. E a mulher mãe, tendo ou não gerado um filho, carrega o poder criador. Desempenha a missão de velar pelo ser humano na sua etapa de formação básica. É o desiderato intransferível da capacidade natural. Quem sabe, em nome da esperança, a condução dos humanos possa entender melhor a capacidade feminina! Não se trata de machismo ou feminismo, mas a simples razão deste poder que é a grande dádiva natural, ainda inerte pela insensibilidade na escolha de valores. Se ela pode presidir o momento mais importante da vida, é hora de recorrermos com mais convicção às mães.

Libertação

A data histórica da Abolição da Escravatura lembra a ferocidade da injustiça de estado contra índios e negros durante o período longo e sombrio de nossa Pátria. Os irmãos negros imolados em milhares de martírios escreveram com dor e sofrimento a própria história. Falta à sociedade de melhor sorte vencer o próprio aprisionamento e assentir ao apelo de verdadeira igualdade. Ousamos dizer que já se percebem os primeiros sinais de liberdade e respeito mútuo. Os prepotentes precisam libertar-se da mediocridade urgentemente, porque ninguém vence a esperança.

Promiscuidade

A investigação policial que remexe escândalos recentes é o centro da angústia nacional. Deve ser também a oportunidade real de reforçar princípios, perante todos. A preocupação de Janot, que sugere anulação da medida adotada pelo ministro Gilmar Mendes, beneficiando Eike Batista, adverte para os perigos formais e reais da promiscuidade. Não é simples julgar isso, mas o questionamento é parte da democracia.

Retoques:

  • De 2001 a 2013 são mais de 450 mil mortes no Brasil por acidentes de trabalho.
  • O desemprego e segurança do trabalhador deveriam ser prioridade ao se falar em reforma trabalhista!
  • A Venezuela está sem norte, pelo desemprego e fome. Qualquer argumento ideológico neste momento torna-se secundário se não apresentar solução.  
Gostou? Compartilhe